A worker checks the production in the packaging section of the newly opened Lego factory in Jiaxing, Zhejiang Province, China, on Nov. 24, 2016. (JOHANNES EISELE / AFP / Getty Images)A worker checks the production in the packaging section of the newly opened Lego factory in Jiaxing, Zhejiang Province, China, on Nov. 24, 2016. (JOHANNES EISELE / AFP / Getty Images)

The Chinese economy is strange in many ways. Not only is it a hybrid between private capital and state control, but very few people directly invest in the mainland — and yet everybody is interested in how the second largest economy in the world is going to develop.

That’s because Chinese demand determines the prices of world commodities, and the operations of multinational companies in China impact earnings. When the yuan falls, markets across the world get jittery.

China watchers accept the fact that official Chinese data is severely flawed, and often simply fabricated, yet they still use it to analyze the Chinese economy and markets because there are few alternatives.

One alternative, Contudo, is the China Beige Book International (CBB), a research service that interviews thousands of companies and hundreds of bankers on the ground in China each quarter. They collect data and perform in-depth interviews with Chinese executives.

Leland Miller, president of China Beige Book International.

Leland Miller, president of China Beige Book International.

Leland Miller, the founder of CBB, spoke with O Epoch Times about which investors and companies are interested in China, the latest developments in the currency, U.S.-China relations, overcapacity problems, and the One Belt One Road Initiative.

O Epoch Times: Who are the investors and companies interested in China and your services?

Leland Miller: There’s people who play the share roulette or people who have a specific company in mind. We see a lot of this in the retail space and they want to get more information from us. They invest in something where they think there is this untapped market either in China or as China goes abroad.

You’ve got macro firms who may not care about the day-to-day in China but want to make sure they understand the dynamics of China demand, of China credit, of China currency, so that they don’t get caught out.

Commodities are in incredibly high demand. We spend a lot of our time dealing with commodities firms now because we have all this data that’s not typically available. Things like net capacity, and a lot of firms have said, “Well, we have no way of checking government numbers…. If they say they’re cutting capacity, we have to believe them.” Well, we don’t believe them, we do it ourselves and what we found is that the opposite is happening across commodities, across time.

So you have all these different types of firms, but I think there is one uniting factor: whether they’re doing China micro, they’re doing China macro, or some niche element of the economy. If they don’t get China right, there are going to be repercussions in their portfolio.

So even people now who have absolutely nothing to do with China are clients of ours because as they keep abreast of what’s going on, they need to understand this and not get knocked from the side off their feet when they weren’t expecting it.

An increasing share of our clients are people who just want to understand China at the 30,000-feet level. Our early clients are people who want to understand at the 30-feet level. And we have everything in between, but also the corporates. The corporates have a very different mind-set: they need to know different things than, say, a hedge fund or other asset manager, who is simply trying to find a good trade.

O Epoch Times: How do you see the Chinese currency developing?

Sr. Miller: They took a very risky strategy on the currency dating back to last fall, and it worked. But it didn’t have to work and it may not have worked, and I think it’s worth looking back at this chronology because this could have been a very different year had some of this not worked out. Back in September 2016, the Chinese started to understand that there was a very real chance that the Federal Reserve (Fed) was going to hike in December, and they needed to prepare the currency and prepare themselves for a rate hike.

They started doing that and they weakened the currency. And then when President Trump was elected, they said, “Okay, well, we got to do this even more. We have to weaken right up until he gets elected so that we can come back and say we’re going to strengthen it once he gets elected.” Now it’s a very cynical strategy that happened to work, but what’s interesting is that there was an enormous amount of commentary late in 2016, early 2017, about how — and we see this all the time — now that China is pegged to a basket, it’s not pegged to the dollar, and that the Chinese have made this move.

That is just not correct. They had not switched, there has not been this back-and-forth. The yuan is essentially pegged to the dollar. The seven handle on this, the seven yuan to the dollar is extremely important for a lot of reasons, most importantly the politics around this, the politics with Congress, the politics with Trump, the politics with the Chinese leadership.

And the idea of them creeping closer and closer to 7 was a real major problem. They understood that this was a politically charged number and they got real close to it and they timed it well and they backed off it, and it had been strengthening ever since which has been supported by the fact that the dollar has been in a weakening trend.

But the interesting thing here is they figured out, “We’re going to give Trump little rationale for letting him say we are a currency manipulator. But right up until that point, we’re going to keep weakening, and we’re going to hope that nothing bad happens.”

Shockingly, they got up to 6.9 — it was approaching a danger point where I think markets would have started caring, and they backed off at the right time. So they have had the 2017 best case scenario, they haven’t had these interruptions, they haven’t had a super strong dollar that a lot of people thought was going to happen six months ago.

So the yuan is not on the top of people’s worry list right now but it’s just a matter of time before they have to deal with these dynamics again, unless the dollar is in a long term weakening trend.

O Epoch Times: How do you see U.S.-China relations in the future?

Sr. Miller: The administration understood that China’s a radioactive word if you use it politically, so we’re going to fight back on China, we’re going to save American workers from the tyranny of Chinese goods. That was the calling card for a while. And then of course President Xi and President Trump met at Mar-a-Lago and had this beautiful chat and everything turned around.

President Trump was convinced to give the Chinese some amount of time to fix the trade problem and fix North Korea and a whole bunch of other things. A lot of really smart China watchers have been saying recently that the President is angry that the Chinese have not done what he wanted them to do on the trade side of North Korea and he’s flipped and you’re about to see the repercussions.

I would actually push back against that. I think that what you’re seeing right now is a gradual dissatisfaction with this. But the real tea leaf here will be the South China Sea. Os EUA. position in the South China Sea has just been invisible for the most part. I mean, they talk about a few spy ops but they have been mostly invisible for the past six, seven months.

And when the President, the White House, the administration makes this turn and decides: “Alright, China is not going to help us out, we now need a stick and we need a big stick,” you’re going to start seeing developments in the South China Sea. The fact that there has been some push back on trade, the fact that we’re talking a little bit about steel, it’s totally misunderstood.

The steel measures being talked about are not anti-China, although they’ll be sold as that. So I think we need to stop jumping the gun on the idea that the president has turned hostile on China. This hasn’t happened. Do we think it will happen? sim. I think it’s a 2018 thing. But I don’t think that there has been a major shift in policy.

Chinese blacksmiths at a steel furnace in Nuanquan, China, on Feb. 23, 2015. A booming property sector and monetary stimulus provided support for battered steel companies in 2017. (PHOTO BY GETTY IMAGES)

Chinese blacksmiths at a steel furnace in Nuanquan, China, on Feb. 23, 2015. A booming property sector and monetary stimulus provided support for battered steel companies in 2017. (PHOTO BY GETTY IMAGES)

O Epoch Times: Are the Chinese really tackling the overcapacity problem?

Sr. Miller: There are two stories here. The first is what our data is saying and the second is the mistake I think a lot of investors make in seeing commodities as monolithic in China.

People usually think that they’re either going to cut capacity across the board or they’re not going to cut capacity at all. So what we have been seeing is not cutting capacity. When prices have gone up, a lot of investors said, “Look, the Chinese government is making good on their pledges to cut capacity. Look at prices are going up, imports are going up.” Anecdotally, that suggests they’re cutting capacity.

Agora, they are cutting gross capacity, but total capacity added has gone up every quarter and it’s gone up in almost every sub-sector every quarter. They are adding capacity, and this is very intuitive if you think about it. There are all these industries who used to laugh about the economic reports we used to get from these firms quarter after quarter after quarter of higher inventories, worse revenue, no profits, more capacity — it was just a joke.

Now all of a sudden they’re getting this good economic scenario and they are not about to cut back. It makes sense that they’re not cutting back, but the narrative on this is that the Chinese government is hard at work cutting capacity, and it’s totally a mistaken narrative. Agora, we tracked this very closely across coal, aluminium, aço, and copper, and there is a very clear dynamic there and it’s been clear for the last year plus. They are not cutting net capacity.

Now the other issue here is the differences between sub-sectors. When you look at coal and when you look at steel, there’s a different long term concern about the two of them. With all these Chinese commodities, there’s potential overcapacity issues, but coal kills people and coal turns people’s lungs black.

China Beige Book International (CBB) is an independent research firm that collects data from thousands of Chinese firms every quarter, including in-depth interviews with local executives. Embora a CBB não dá números de crescimento definitivos, it logs how many companies increased their revenues, how many laid off workers, and many more datapoints.

China Beige Book International (CBB) is an independent research firm that collects data from thousands of Chinese firms every quarter, including in-depth interviews with local executives. Embora a CBB não dá números de crescimento definitivos, it logs how many companies increased their revenues, how many laid off workers, and many more datapoints.

And so the idea that the Chinese can continue to crank out coal the same way they can crank out steel, with the same repercussions, it’s not there. So over time I think we will see a pullback on the coal side. It’s an open question as to whether we’ll see it in steel and aluminum; a lot of this might be affected by the trade actions coming out of the United States, but right now the major story here is that investors are guessing.

They’re guessing based on prices and they’re getting this wrong more often than not. They don’t understand the degree to which these sub-sectors are cutting back. de fato, they increasing capacity, they’re bringing more capacity online. They take the old ones and take them offline or the ones that aren’t being used, but they’ll activate others or they’ll build others or they’ll upgrade others. So the overall dynamic is that more capacity is being brought online but then make a very big show of what they take offline or what they blow up.

They used to put TNT into giant iron plants and blow them up to show that the government was doing something. This is the equivalent of this in 2017. But net net, they’re not cutting back right now. They’re trying to take advantage of a good market for their goods and so this is going to shock people. It’s already surprised people; that’s why you see these enormous 5 por cento, 8 percent moves in a day on these commodity markets. But it’s going to shock people more going forward when they understand the totality of what has happened over the past year.

O Epoch Times: What are your thoughts on the One Belt One Road (OBOR) initiative?

Sr. Miller: What is the real goal for this? The goal is to exert Chinese influence abroad, it’s to recycle surpluses in goods and services abroad to some degree because of oversupply. It will accomplish certain things but is it a worthwhile project? Is it going to do what everyone thinks it’s going to do? No, of course not.

But there are things being done. It is a project large in scope, it will attract headlines for many years, but at the end of the day is this a game changer for China? No. Have the Chinese ever in any context found a sustainable ability to get returns, to get an actual return on their investment? No. And they’re going into a situation where they’re irritating a lot of these states who think that they were going to be able to use their own labor, but the Chinese are using Chinese firms who are doing quite well so far, and having them do the labor.

There are political problems that brings up. They also have a different situation right now than they did three years ago when you talk about the Forex reserves in the capital accounts. So the idea that they had too much and had to figure out ways of dumping Chinese capital in other places, that problem has reversed itself. Now we are not at any kind of problematic point at around $3 trilhão, people have the opposite concerns. I think that if this were not a President Xi initiative that he has attached his name to, this would have been deescalated far more dramatically.

They’re going to have to build it up, it still plays a role, it’s still worth watching, but the idea that this is a real game changer similar to the Asian Infrastructure and Investment Bank which was a political upheaval about a year ago, two years ago, whenever it was, these are not game changers. These are Chinese inefficiencies at work abroad.

Interview edited for brevity and clarity

Twitter: @vxschmid

Leia o artigo completo aqui
Junho 27, 2017

A customer selects vegetables at a supermarket in Hangzhou, in eastern China's Zhejiang province on March 10, 2016. (STR / AFP / Getty Images)A customer selects vegetables at a supermarket in Hangzhou, in eastern China's Zhejiang province on March 10, 2016. (STR / AFP / Getty Images)

After severe jitters in 2015 e 2016, the Chinese economy and its foreign exchange rate have been mostly stable in 2017. Except for volatility in interest rates and the stock market, everything seems fine ahead of the important Party Congress to be held this fall. At the congress, the regime will confirm the next Party leadership.

Claro, official figures, like the 6.9 percent annualized GDP growth rate released for the first quarter of 2017, are unreliable and merely a rough indicator of where the journey is going.

To provide a more accurate read on China’s economy, Leland Miller and his team at China Beige Book International (CBB) interview thousands of companies and hundreds of bankers on the ground in China each quarter. They collect data and perform in-depth interviews with Chinese executives.

The CBB’s recent report confirms the eerie stability of the Chinese economy.

“So far, 2017 has played out as a best-case scenario. … The remarkable absence of both domestic and foreign shocks has created the stable environment corporates need to outperform most expectations, including ours,” states a preview to the full Q2 2017 relatório.

The retail, services, and manufacturing sectors all showed an increase in activity. Hiring was also better than in an already good first quarter. This is important for the Chinese regime, as unemployed workers are unhappy workers who often express their unhappiness in mass protests.

According to the official unemployment rate, this is hardly ever a concern, as it has been hovering between 3.97 percent and 4.3 percent for the last decade. Contudo, when the real economy dipped in 2016, the China Labour Bulletin logged a total of 1,378 strikes and protests in the second half of last year.

Extend and Pretend

Contudo, despite the overall positive response from the firms surveyed by CBB, there are a few traditionally Chinese “extend and pretend” caveats to the rosy picture.

Por exemplo, every sector reported record inventories, which is positive for production and jobs, but not for sales. If the stocked products aren’t sold shortly, it will hit the companies’ bottom line.

“The same companies who report solid results on most indicators also continue to show cash flow in the red—corporate health has not yet responded to better growth,” states the CBB preview.

Then there is the credit market, a source of worry for China watchers since the end of last year. China’s bank borrowing rates have been creeping up from 3 percent to almost 4.5 percent since late 2016, and CBB notes that this is now affecting the bank’s corporate customers.

“In Q1 … credit tightening was limited to interbank markets. In Q2, it hit firms: Bond yields and rates at shadow banks touched the highest levels in the history of our survey, and bank rates their highest since 2014,” states the report.

According to CBB, Contudo, overall borrowing was relatively stable, despite higher costs and the fact that corporate bond issuance collapsed dentro 2017. Por quê? Because firms believe in the ability of the regime to keep things stable beyond 2017.

As the report puts it, “while borrowing did see a mild drop for the third straight quarter, companies’ six-month revenue expectations remain robust in every sector save property. Companies assume deleveraging is transient, likely because they are skeptical the Party will allow economic pain in 2017.”

Leia o artigo completo aqui

Trabalhadores em um canteiro de obras de um arranha-céu residencial em Xangai, em novembro. 29, 2016. (JOHANNES EISELE / AFP / Getty Images)Trabalhadores em um canteiro de obras de um arranha-céu residencial em Xangai, em novembro. 29, 2016. (JOHANNES EISELE / AFP / Getty Images)

Dada a falta de confiabilidade notório de dados econômicos oficial chinesa, analistas de risco começando errado quando depender exclusivamente de figuras do governo põe para fora. É a história de crescimento da China, e um reequilíbrio da manufatura para consumo, realmente acontecendo? Ou é a questão da enorme dívida, com semi-falidas empresas estatais e excesso de capacidade generalizado, ainda a principal preocupação?

Para lançar luz sobre estas questões obscuras, Leland Miller e sua equipe na China Livro Bege (CBB) entrevistar milhares de empresas e centenas de banqueiros no chão na China a cada trimestre para obter um indicador preciso de como a economia está fazendo.

CBB recolhe dados quantitativos e conduz entrevistas em profundidade com executivos locais. É muitas vezes vem-se com os dados que são completamente oposta à narrativa, mas oficial nem sempre, como a sua pesquisa para o primeiro trimestre de 2017 mostra.

“Os novos resultados da China Livro Bege do primeiro trimestre mostram uma economia certamente mais forte do que há um ano e realizar comparativamente ao último trimestre. Mas os problemas fundamentais permanecem, e alguns deles estão piorando,”A CBB precoce Olhe estados Breves.

Primeiro, as boas notícias. A fim de manter a estabilidade social, o Partido Comunista Chinês precisa manter elevados níveis de emprego a qualquer custo. E o fez no primeiro trimestre.

"Nacionalmente, empregos e crescimento dos salários mantiveram-se inalterados desde o último trimestre, mas o partido não pode estar descansando fácil sobre a estabilidade desejada,”breves estados.

O que está mantendo os planejadores centrais à noite é o fato de que só Estado empresas públicas (SOE) estão contratando, na directiva do governo, enquanto as empresas privadas reduziram contratação, de acordo com CBB.

“O crescimento do emprego desacelerou em empresas privadas, deixando empresas estatais para conduzir o emprego. Além disso, expansão da força de trabalho foi concentrado em setores da economia velhos “.

Sem Reequilíbrio

Este é um outro problema, dadas funcionários como chineses até sensacionalistas o termo “reequilíbrio” na última década. O termo abrange uma gama de políticas destinadas a mudar o foco econômico da indústria pesada e as exportações para o consumo e serviços.

“É sobre o poder de corte, é uma revolução auto-imposto," disse o premiê Li Keqiang em seu primeiro discurso depois de ter sido nomeado em 2013. “Vai ser muito doloroso e até mesmo sentir como cortar um do pulso.”

A imagem mostra a sede do Banco Popular da China (PBC ou PBOC), o banco central chinês, em Pequim, em agosto 7, 2011. Padrão & rebaixamento da dívida dos EUA de pobres era uma chamada wake-up para o mundo, um comentário em um jornal estatal chinês top disse, em agosto 7, acrescentando que os exportadores asiáticos enfrentam riscos especiais. A China é o maior detentor de títulos do Tesouro dos EUA. AFP PHOTO / MARK RALSTON (Crédito da foto deve ler MARK RALSTON / AFP / Getty Images)

A sede do Banco Popular da China, o banco central chinês, em Pequim nesta foto de arquivo. (Mark Ralston / AFP / Getty Images)

Ao longo do último par de anos de cobertura CBB, este reequilíbrio não se concretizou no chão, embora as autoridades continuar falando sobre isso.

O último trimestre não foi excepção. Uma procuração importante para a ascensão do consumidor chinês, por exemplo, é as vendas a retalho.

Dentro 2017, até crescimento oficial de vendas no varejo caiu abaixo 10 por cento pela primeira vez em anos. Embora este é um número que desenvolveu mercados só poderia sonhar, foi tendendo para baixo, não se, como deveria, sob um cenário de reequilíbrio.

E os dados CBB sugere o setor de varejo podem na verdade ser ainda mais fraco. Como a breve diz: “Nossos mais extensas resultados mostram muito mais do que as vendas de flexibilização. lucros, investimento, dinheiro fl uxo, e contratação enfraquecido, em comparação com [no último trimestre de 2016]. Preço e crescimento dos salários também foram mais lento. Varejistas emprestado menos, apesar das taxas muito mais baixas, indicando falta de confiança “.

Outro indicador é a indústria de serviços. China quer afastar-se tornando Widgets e derretendo aço para proporcionar alto nível de serviços domésticos, como finanças e soluções baseadas em software. Esta abordagem seria melhor para o ambiente chinês industrialmente envenenado demasiado.

Tais esperanças permanecem “prematuro,”Afirma CBB. Manufacturing fez melhor do que os serviços em todos os aspectos, das vendas para lucros, bem como o investimento e empréstimos.

sem cortes

Outro elemento importante de reequilíbrio é o corte de excesso de capacidade industrial, especialmente em carvão e do aço. Estes seriam todos reformas baseadas no mercado, onde as empresas semi-falidas parar de produzir, desperdiçando recursos, e baixar os preços.

Oficialmente, China disse que conheceu a sua 2015 alvo de corte 45 milhões de toneladas de ferro e capacidade de aço, bem como 250 milhões de toneladas de capacidade de carvão.

Não é assim de acordo com o relatório CBB. “Dados China Livro Bege mostrar capacidade líquida aumentou em todos os sub-sector para cada um dos últimos quatro trimestres.” Isto significa que a China foi encerrado algumas plantas, mas que os mais novos foram construídos ao mesmo tempo.

Segundo a empresa de pesquisas Capital Economics, a contabilização não adiciona-se. “Se as empresas estão realmente reduzindo a sua capacidade de produção, em seguida, deve-se esperar que uma parte da sua força de trabalho não é mais necessário e serão demitidos,”Escrevem eles em um relatório recente. Contudo, emprego total no que se rotula “setores excesso de capacidade” única caiu 5 por cento, significativamente menor do que apoiaria os números oficiais.

Os dados CBB no chão também contradiz a narrativa oficial aperto monetário. O Banco Popular da China (PBOC) tem suscitado diferentes taxas de juros que cobra dos bancos ligeiramente este ano, levando a um aumento nas taxas de empréstimos interbancários. observadores da China concluíram posteriormente liquidez foi mais apertado em todos os lugares.

De acordo com a CBB, Contudo, o aperto tem apenas alimentado através ao sector da propriedade, que acredita pode ter atingido o pico. Para todos os outros, condições de financiamento permanecem nivelada: “Ele ainda não aconteceu, não na rua. O preço do capital caiu através da placa neste trimestre, em bancos, em finanças sombra, e no mercado de títulos “.

Leia o artigo completo aqui

Em uma foto de arquivo, mineiros empurrar carrinhos contendo carvão de uma mina no condado Qianwei, Sichuan. (Liu Jin / AFP / Getty Images)Em uma foto de arquivo, mineiros empurrar carrinhos contendo carvão de uma mina no condado Qianwei, Sichuan. (Liu Jin / AFP / Getty Images)

A recuperação nos preços globais de carvão se tornou uma das maiores histórias em commodities durante a segunda metade de 2016. A mais de 90 aumento por cento desde meados do ano nos preços do carvão térmico australiano de referência elevou os estoques de produtores de carvão internacionais.

Mas não diga isso para os produtores de carvão chinesas. O recente rali dos preços do carvão não mudou a sorte de muitos produtores de carvão chinesas ainda chafurdando em balanços superalavancadas, elevado endividamento, e demanda fraca.

penúrias do mercado de títulos recentes dessas empresas sinalizar mais defaults pode estar à frente para os emissores terrestres chinesas como trilhões de yuans em títulos vencem em 2017.

Sichuan padrão Coal

Coal Industry Group Sichuan estatal perdeu um pagamento de títulos em dezembro. 25. Um total de 1 bilhões de yuans ($150 milhão) no principal acrescido de juros eram devidos.

Foi o segundo padrão para a empresa de carvão este ano. Sichuan Coal também perdeu um pagamento de juros em junho, mas que a inadimplência foi finalmente resolvido depois que o governo de Sichuan entrou em cena. investidores de títulos foram pagos no final de julho com empréstimos de Investment Group Provincial de Sichuan estatal e um consórcio de bancos locais e nacionais.

ATC_Coal

os preços do carvão térmico australiano durante os últimos doze meses (Indexmundi.com)

Outros chineses empresas estatais (SOEs) estão enfrentando problemas de liquidez semelhantes. da China o maior credor-o Banco Industrial e Comercial da China-on Dez. 30 concordou em investir em Taiyuan Ferro & Steel Group, Datong Coal Group Mina, e Grupo Industry Yangquan Coal via swaps de dívida em capital. Tais swaps têm sido uma ferramenta fundamental de Pequim para reduzir a alavancagem entre as estatais através da troca de dívida por capital próprio. Os swaps eliminar instantaneamente dívida e reduzir os índices de alavancagem nas empresas com problemas de liquidez.

Aço, carvão, e outras indústrias pesadas têm definhava na fraca demanda global e doméstica. Pequim também lançou um programa para fechar minas e plantas de baixo desempenho e reduzir a sua capacidade de produzir carvão. Província chinesa de Shanxi, no nordeste é a sua maior área de produção de carvão, respondendo por mais de 25 por cento da produção de carvão do país no ano passado.

Trilhões de Yuan vincendas

historicamente, defaults de títulos ter sido inédito na China. Mas em 2016, 55 defaults corporativos foram registrados, mais do dobro do número de 2015. E 2017 provavelmente vai ver ainda mais defaults.

Mais que 5.5 trilhão de yuans ($800 bilhão) em títulos com vencimento em 2017, ou 1.8 trilhão de yuan mais do que 2016, de acordo com China Chengxin Internacional Credit Rating Group. Essa é uma quantidade significativa de dinheiro empresas chinesas deve vir para cima com durante o próximo ano.

os declínios do governo local para estender outra de Sichuan Coal assumindo-default bailout-pode sinalizar que as autoridades comunistas chineses estão dispostos a permitir que mais defaults de títulos daqui para frente. Em verdade, analistas têm esperado defaults de títulos enormes para anos, enquanto Pequim tem sido seletiva na escolha de quais empresas estatais para socorrer. Independentemente, o número de tais salvamentos diminuiu, ressaltando a aumentar o nível de conforto das autoridades com deixar as empresas falham. Com a quantidade significativa de bônus com vencimento em 2017, um pico de defaults de títulos provavelmente resultará.

Ampliando o desafio enfrentado por empresas chinesas é o cenário econômico, que não parece amigável para o mercado de títulos Chinese.

sistema financeiro frágil da China é construído inteiramente em excesso de alavancagem, com dívida barata.

Como o resto do mercado de títulos globais, títulos chineses já têm estado sob pressão do U.S. planos de aumentar as taxas de juro de curto prazo do Federal Reserve. Isso tem levantado rendimentos em todo o mundo. 10 anos de rendimento dos títulos do governo da China estabeleceu-se em 3.07 por cento em dezembro. 30, ligeiramente inferior ao de meados do mês, mas muito maior do que o 2.8 gama percentual no início de 2016 (os rendimentos e os preços dos títulos mover em direcções opostas).

Confrontado com o aumento do risco de fuga de capitais, China pode eleger para orientar suas próprias taxas mais elevado. Mas em tal cenário, elevando nova dívida seria proibitivamente mais caro durante uma época em que muitas empresas chinesas estão enfrentando problemas de liquidez em meio a desaceleração do crescimento econômico. As ações do banco central ainda espremer os mutuários chineses na necessidade de nova dívida para rolar a dívida existente.

sistema financeiro frágil da China é construído inteiramente em excesso de alavancagem, com dívida barata. É especialmente susceptível a aumentos da taxa de e sem o tipo de crescimento necessários para suportar tais aumentos da taxa.

Com tanta dívida vincenda e armado com poucas opções para levantar capital novo, 2017 poderia significar um desastre para as empresas chinesas precisam de dinheiro.

Leia o artigo completo aqui

Trabalhadores classificar as peças em uma empresa de eletrônicos em Tengzhou, no leste da província de Shandong da China em fevereiro 1, 2016.  Enquanto as receitas e lucros têm crescido, empresas são espremidos por dinheiro. (STR / AFP / Getty Images)Trabalhadores classificar as peças em uma empresa de eletrônicos em Tengzhou, no leste da província de Shandong da China em fevereiro 1, 2016.  Enquanto as receitas e lucros têm crescido, empresas são espremidos por dinheiro. (STR / AFP / Getty Images)

líder regime chinês Xi Jinping está balançando tantos barcos na frente política que ele quer ter certeza que a economia e os mercados financeiros permanecem estáveis ​​em 2017. Ele mesmo disse que prefere estabilidade ao longo do cumprimento do objectivo de crescimento do PIB do regime.

O ano passado foi uma vitória parcial, como o regime conseguiu conter as saídas de capital maciças, estresse mercado de trabalho, e falhas do mercado de ações usando a tática usual de empurrar centenas de bilhões de dólares na economia através do sistema bancário estatal. Mas debaixo da superfície, risco nos mercados financeiros mantém edifício.

Xi admitiu recentemente em uma reunião secreta que a China não pode cumprir a sua meta de crescimento do PIB se isso cria um risco muito grande, de acordo com um relatório de Bloomberg. Enquanto a economia eo emprego permanecem estáveis, crescimento pode escorregar abaixo do 6.5 -alvo por cento.

“Os investidores podem ficar obcecado sobre o PIB, mas o Partido pode exigir quaisquer números do PIB que quer. O que importa para Pequim é o desemprego. Se contratação líquida parece ser bom, o governo tem pouco motivo para agir, mesmo se outros indicadores mostram resultados que perturbam os mercados,”Afirma um relatório da empresa de pesquisa de China Livro Bege (CBB).

CBB tem feito um nome para si mesmo, fornecendo dados precisos sobre-o-terreno para a economia da China, como os números oficiais são pouco confiáveis. Os pesquisadores entrevistar milhares de empresas e centenas de banqueiros na China a cada trimestre para obter um indicador preciso dos temas da economia chinesa.

O último relatório reflete a narrativa do regime chinês, bem como analistas ocidentais: A economia estabilizou graças ao estímulo, eo mercado de trabalho também é estável.

As receitas no varejo, o setor de serviços, fabrico, transporte, imobiliária, e setor de commodities aumentou em mais de 50 por cento das empresas pesquisadas no quarto trimestre de 2016, um bom indicador do crescimento do PIB sólida. lucros totais aumentaram como testemunhado por 47 por cento das empresas e 43 por cento das empresas que contratam mais trabalhadores.

Mantendo trabalhadores feliz é o objetivo mais importante para os formuladores de políticas, como um artigo de regime de bocal Xinhua em agosto afirmado: “A China não fabricar seus dados de desemprego, e pode mantê-lo estável apesar das pressões de redundância ... O desemprego reflete o desempenho de uma política de economia e influências “.

Contudo, estabilidade na China é uma faca de dois gumes para os investidores ocidentais. Se as coisas são boas, mais estímulo provavelmente não é iminente. “Se contratação líquida parece ser bom, o governo tem pouco motivo para agir, mesmo se outros indicadores mostram resultados que perturbam os mercados. No quarto trimestre, contratação líquida parecia muito bom, não deixando nenhuma razão para estímulo no início de 2017 “, afirma o relatório CBB.

Pressão financeira

Este ganho em crescimento e contratação veio a um preço, Contudo. Lucros e receitas em empresas estão subindo, mas o dinheiro não aparecer no empresas de um sinal de potencial de estresse financeiro. “Dor de fluxo de caixa persistiu, com os resultados ano-a-ano, em vez atraente,”Afirma o relatório.

Grande parte do fluxo de caixa das operações de uma empresa é determinada não só por quanto a empresa vende, mas também, muito mais importante, por quanto desse dinheiro que recebe e quando. Se a empresa ainda está à espera de pagamento, o dinheiro é reservado em uma categoria chamada “recebíveis”. Esta categoria ficou maior em 22 por cento das empresas inquiridas CBB e diminuiu em apenas 15 por cento das empresas na pesquisa.

Da mesma forma, Se algumas empresas têm de esperar por dinheiro, eles vão atrasar os pagamentos aos seus fornecedores ("pagáveis"). A categoria pago ficou maior em 26 por cento das empresas e diminuiu em apenas 17 por cento, alguns dos piores leituras na história da CBB.

Uma pesquisa pela Bloomberg no início este ano mostrou que é preciso 83 dias para a empresa chinesa médio para receber o pagamento, quase o dobro do tempo que leva em outros mercados emergentes. Como para o pagamento de, As empresas chinesas são ainda mais lento. Euler Hermes, uma empresa especializada em seguro de crédito comercial, mostra que as empresas chinesas tomou 88 dias em média para pagar suas obrigações em 2015.

Outra dreno em dinheiro é um aumento nos estoques. As empresas gastam dinheiro para produzir bens, mas não vendê-los para o momento. Os estoques ficou maior em 39 por cento das empresas no quarto trimestre, o maior aumento já registrado para o levantamento CBB.

Os longos atrasos no contas de sedimentação pode ser um sinal de que os pagamentos de juros e dívida de outro negativo para fluxo de caixa-são empresas esmagadora. Se esses pagamentos tornar-se demasiado grande, as empresas têm de apertar o fluxo de caixa operacional para manter em curso ou pedir emprestado ainda mais para fazer seus pagamentos imediatos.

“O fluxo de caixa poderia explicar por que empréstimos empresa no terceiro e quarto trimestres atingiu os níveis mais altos CBB tem relatados desde meados de 2013. As empresas não podem ser empréstimos para financiar a expansão, mas sim para cobrir déficits,”Afirma o relatório.

Se as empresas não podem emprestar mais ou espremer seus fornecedores, eles vão à falência. Segundo a pesquisa por empresas de topografia Goldman Sachs na China, quatro optaram em $3 bilhões de títulos desde o meio de novembro. Estes padrões são uma ruptura com o recorde nos últimos cinco meses de junho a outubro, quando apenas três das empresas pesquisadas não cumprir os seus pagamentos. Dado que as empresas da China estão se afogando em dívidas, esse aperto no fluxo de caixa não augura nada de bom para a estabilidade na 2017.

Leia o artigo completo aqui

Os pedestres andam após o Banco Popular da China, o banco central da China, em Pequim julho 8, 2015. (Greg Baker / AFP / Getty Images)Os pedestres andam após o Banco Popular da China, o banco central da China, em Pequim julho 8, 2015. (Greg Baker / AFP / Getty Images)

Os EUA. Federal Reserve está pronto para aumentar as taxas de juro de referência, assim que esta semana, o que pode trazer impactos de grande alcance a própria economia da China e da política monetária.

A economia chinesa servindo como pano de fundo tem mostrado sinais de ligeira melhoria nas últimas semanas. dados de comércio outubro foi positiva, de acordo com estatísticas do estado, com as importações e as exportações aumentando em termos de dólares em comparação com um ano atrás.

Exportações foram plana (em 0.1 por cento) mas se considerar recente fortalecimento do dólar. As importações subiram-up 6.7 por cento em-fluxos mais elevados de matérias-primas tais como petróleo, cobre, e carvão.

pressões Deflationary também diminuiu ligeiramente. índice de preços ao produtor da China (PPI)medida -a do preço de fábrica entradas-levantou-se em novembro, como os preços de carvão, aço, e petróleo bruto todos saltou. A inflação ao consumidor também pegou mais do que o previsto, e deve continuar a subir dado o aumento no PPI.

Uma série esperada de fora dos EUA. taxa de caminhadas de dezembro de 25 pontos base, deve ser apenas o começo, continuará a impulsionar o dólar e agravar as saídas de capital existentes que Pequim está se esforçando para restringir. E com a continuação números da inflação positivos no mercado interno, Banco Popular da China (PBoC) poderiam ser pressionados a apertar sua política próprias taxas no futuro próximo.

No End para saídas de capital

Um dólar mais forte torna U.S. investimentos mais atraentes para os chineses, considerando recente depreciação do yuan.

Isso poderia levar os investidores e empresas chinesas para continuar a procurar brechas em torno de controles de capital postas em prática por Pequim para limitar as saídas de caixa. A China já passou uma grande parte de suas reservas cambiais para gerenciar um yuan depreciação. Qualquer contínuo fortalecimento do dólar vai colocar ainda mais peso sobre Pequim para queimar através de suas reservas remanescentes.

relatados reservas de divisas da PBOC caiu $69 bilhões em novembro, um declínio de 2 por cento a partir de outubro eo maior deslize mensal desde janeiro. reservas cambiais da China têm sido amplamente em declínio desde agosto 2015 como o PBoC vendeu dólares, e como relativamente a força do dólar contra o cesto de outras moedas aumentou.

Juntamente com a venda do dólar, Pequim está agressivamente reprimir dinheiro deixando o país de empresas e indivíduos. Os consumidores já enfrentam um $50,000 limite de conversão anual. para as empresas, autoridades recentemente barrado aquisições estrangeiras de $10 bilhões ou mais, e instituiu um novo programa onde cada transferência superior a $5 milhões devem ser analisados ​​e aprovados pelos reguladores.

BBG

(Fonte: Bloomberg)

Uma diferença maior entre terra e no mar pontos preços yuan para outras yuan depreciação e possíveis saídas-frente. Hong Kong-negociadas CNH (no mar) yuan caiu 0.84 por cento contra o dólar na semana passada (terminando dezembro. 8) enquanto CNY (onshore) desistiu 0.41 por cento. Os analistas em geral ver a CNH ser um indicador preciso do dólar futuro para direção yuan, uma vez que não é restringida pelo reguladores chineses.

Aperto Preços e Empresas chinesas

Com dinheiro deverá continuar a fluir para fora da China, Pequim pode ter pouca escolha a não ser apertar sua política monetária.

Se as autoridades optam por ir por esse caminho, padrões de empréstimo corporativos poderia acelerar e algumas empresas podem ter dificuldade para pagar as suas dívidas e permanecer solvente.

Para colocar isso em contexto, dívidas totais da China estão em mais de 250 por cento do PIB do país. A Fitch Ratings soou o alarme na semana passada depois que ele estimou que cerca de 15 para 21 por cento de todos os empréstimos no sistema bancário da China são non-performing. Esses números têm sido amplamente suspeita, mas independentemente é uma quantidade impressionante em comparação com as estatísticas médias oficiais de menos de 2 por cento em maiores credores do país.

SHIBOR

(Fonte: Shibor.org)

Depois de uma primeira onda de defaults corporativos no início deste ano, poucas empresas foram autorizados a falhar uma vez. Em vez de uma onda maciça de padrões como alguns analistas previram, Beijing evitado tal ação girando a medidas mais criativas. Diante de uma enorme quantidade de resgates no vencimento este ano, empresas estatais empregada outros caminhos para amenizar o problema usando swaps de dívida em capital, e se as empresas ainda são viáveis, emissão de novos títulos ou usar o financiamento de curto prazo para rolar dívida de longo prazo.

Até agora, crédito fácil tornou emissão de novos títulos barato e fácil. China firma de dados financeiros Wind Info estima ofertas de títulos domésticos são-se 44 por cento no ano-to-date em comparação com 2015. Mas fora dos maiores emissores, pequenas e médias empresas estão aumentando voltando para financiamento de curto prazo, tais como a emissão de commercial papers produtos de gestão de riqueza.

Mas essas soluções são os mais suscetíveis a flutuações de taxas de juros. Se as taxas de juros chinesas continuam a subir, estas estratégias não será mais viável.

O SHIBOR 3 meses (Shanghai Interbank Offered Rate) aumentou 12 por cento no último período de 60 dias para 313 pontos base. Tais aumentos nas taxas de juro de curto prazo pode espremer atividades de financiamento das empresas e provocar padrões em empresas já com pouco dinheiro.

Leia o artigo completo aqui

aposentados chineses andar na rua em Beijing outubro. 16, 2014. (Kevin Frayer / Getty Images)aposentados chineses andar na rua em Beijing outubro. 16, 2014. (Kevin Frayer / Getty Images)

Para acelerar os retornos e sustentar uma população crescente de idosos pensionistas, China está embarcando em um plano para centralizar a gestão dos fundos de pensão e desviar mais dinheiro em classes de ativos mais arriscados.

O projeto prevê a transferência de partes de fundos de pensão locais e regionais para o Fundo Nacional de Segurança Social gerenciado centralmente (NSSF), que tem sede em Pequim e tem mandatos mais amplos para investir em ativos mais arriscados, como ações, fundos de ações, e private equity.

A expansão da NSSF e implantação de dinheiro no mercado de ações serve a um propósito duplo para o regime comunista chinês. Em teoria, investir no mercado de ações deve gerar retornos maiores e aumentar o tamanho do fundo para cobrir crescentes compromissos com pensões. Isso é algo que os fundos locais e regionais não poderia realizar anteriormente devido às suas restrições de investimento e ambiente de baixa taxa de juros.

além do que, além do mais, canalizando dinheiro mais institucional em mercados de ações da China poderia reduzir a volatilidade do mercado de ações, diminuindo a influência dos pequenos investidores volúveis. O fluxo financeiro mais estável de fundos de pensão devem estabilizar os mercados que sofreu súbita entrada de investidores de varejo e saídas nos últimos dois anos.

Pequim começou delineando uma transferência de activos para o NSSF desde junho passado, no meio da bolha do mercado de ações de Xangai e posterior colisão. Província de Guangdong foi o primeiro a transferir activos para o NSSF, e outras províncias estão seguindo o terno. A partir de dezembro 2015, o NSSF gerenciado 1.9 trilhão de yuans ($276 bilhão) de ativos.

alta recompensa, Risco maior

atualmente, fundos de pensão locais e provinciais estão restritos a investir em classes de ativos mais seguros, como de dívida e governamentais obrigações bancárias para preservar o capital. Mas devido a baixas taxas de juros, tais investimentos geraram retornos tão escassos que muitos fundos de pensão se vêem incapazes de cobrir os pagamentos de aposentadoria num momento em que mais funcionários estaduais estão se aproximando da aposentadoria.

O NSSF não tem tais restrições e pode investir até 40 por cento em ações. No fim de 2015, 46 por cento dos ativos da NSSF eram investimentos diretos em empresas, enquanto o restante foram geridos bens e investimentos, incluindo ações. De acordo com o Conselho Nacional de Fundo de Segurança Social, que administra o NSSF, seus ativos apreciado 15.2 por cento em 2015 e 8.8 por cento inception-to-date.

Esses são bons retornos, assumir as figuras são críveis. Mas retornos de investimento e da política monetária são muitas vezes fugaz. Dentro de um conjunto diferente de circunstâncias-um ambiente de maior taxa de juros, por exemplo, o de renda fixa pesados ​​fundos de pensão locais e provinciais poderia bater os retornos do NSSF mais arriscado.

O que esta transferência de ativos de fundos provinciais para o NSSF significa é que vai para a frente, as fortunas de todos os aposentados estatal chinesa agora descansar em cima gerentes de investimento em Beijing.

O problema não é as estratégias de investimento díspares entre gestores de investimentos dos fundos-competentes podem discordar sobre a filosofia de alocação de ativos. Pensionistas devem estar preocupados que os interesses dos gestores de investimentos NSSF em Pequim não pode sempre alinhados com os dos aposentados.

A exposição ao crédito em incumprimento

O NSSF já parece estar dobrando para baixo em suas apostas arriscadas por imersão em classes de ativos cada vez mais tóxicas que poderiam ser parcialmente motivadas por pressões políticas.

As quatro enormes empresas-estabelecidos de gestão de ativos de propriedade estatal para comprar pilhas de crédito em incumprimento (NPLs) de chineses bancos são no meio de levantar capital novo a partir de uma combinação de IPOs e investimentos estratégicos das companhias de seguros e fundos de pensões.

O NSSF vai investir em pelo menos dois destes “banco bancos,”Como eles são comumente referidos-China Great Wall Asset Management e China Orient Asset Management. Ambos também estão buscando IPOs no início do próximo ano.

Os bancos ruins foram criados pela China em 1999 para resolver problemas NPL do país resultantes de anos de empréstimos bancários a má gestão das empresas estatais (SOEs). Os bancos ruins comprou NPLs de bancos estatais, libertando balanços deste último para que pudessem manter os empréstimos para as empresas públicas.

Esses bancos maus agem como câmaras de compensação para problemas de inadimplência da China. Pequim é capaz de mudar tais inúteis-ativos desvalorizados-e às vezes longe de balanços dos bancos, trocados por dinheiro ou títulos emitidos pelos bancos ruins. É assim que os grandes bancos do país pode reivindicar rácios de bad-de empréstimo sub-2 por cento.

Inicialmente, bancos ruins receberam empréstimos de dez anos para financiar as compras de ativos e deveriam desaparecer após o encerramento dos NPLs em dez anos. Mas a economia alimentado pela dívida da China vem gerando tantas NPLs que esses bancos ruins estão aqui para ficar e precisa de injeções de capital para manter a compra de mais NPLs.

E é aí que Pequim quer que o NSSF e outros investidores de varejo para intervir. Precisa de mais provas de que os interesses de Pequim vão influenciar cada vez mais a gestão de ativos de pensão? O ministro das Finanças recentemente deposto da China Lou Jiwei foi apontado como o novo presidente do NSSF, de acordo com a revista financeira Caixin.

Reforma antecipada e da agitação social

Ao mesmo tempo, algumas províncias chinesas estão instituindo planos de aposentadoria antecipada para empurrar os trabalhadores off folhas de pagamento estado ativo. Pelo menos sete províncias principalmente no Nordeste, anunciou os planos, em parte, a conformidade com a directiva de Pequim no ano passado para reduzir a capacidade de siderurgia e mineração.

Semelhante à política de 1990 promulgada pelo então primeiro-ministro Zhu Rongji, esses aposentados primeiros não contam para as estatísticas oficiais de desemprego e seus benefícios de pensão são diferidos. idade de aposentadoria oficial da China para os funcionários do Estado é 60 para os homens e quer 55 ou 50 para as mulheres, dependendo posição. planos de aposentadoria antecipada geralmente acelerar essas regras por cinco anos. Eles recebem uma bolsa mensal reduzido durante os cinco anos, mas deve esperar até que a idade oficial de aposentadoria para desfrutar de benefícios de pensão.

Isso por si só tem gerado uma série de pequenas, mas crescentes protestos no cinturão da ferrugem da nação. Se os retornos de NSSF vacilar e o fundo tem dificuldade em atender os seus pagamentos de responsabilidade no futuro, Os problemas de Pequim poderia rapidamente exacerbar.

Leia o artigo completo aqui

A Bank of China filial na cidade de Londres Maio 13, 2016. Bank of China é um de uma série de bancos chineses olhando para expandir sua presença no exterior. (Dan Kitwood / Getty Images)A Bank of China filial na cidade de Londres Maio 13, 2016. Bank of China é um de uma série de bancos chineses olhando para expandir sua presença no exterior. (Dan Kitwood / Getty Images)

Em um esforço para reduzir os preços dos imóveis em fuga, grandes bancos na Austrália, um destino popular para imobiliário chinês investidores pararam de emprestar aos compradores de propriedade estrangeira sem renda doméstica.

Digite Bank of China, China Construction Bank, e o Banco Industrial e Comercial da China. compras chinesas de imobiliário Australian quase pulou uma batida, como filiais locais de bancos chineses intervieram para preencher a lacuna.

Os bancos chineses estão seguindo seus clientes corporativos e de varejo, expandindo no exterior, contrariando a tendência da indústria bancária global de retrenching.

Contudo, conformidade e de regulamentação obstáculos poderia retardar as suas ambições. E, apesar dos ganhos recentes, sua pegada global geral é improvável que desafiar os líderes atuais do mercado no futuro próximo.

Segundo dados do Ministério do Comércio da China, investimento directo fora da China (ODI) ascendeu a $103 bilhões entre janeiro e julho 2016, uma 61.8 por cento de aumento em relação ao mesmo período do ano passado.

Os Estados Unidos ea Alemanha foram os destinos mais populares para o investimento estrangeiro chinês, impulsionado por grandes fusões e aquisições corporativas.

bancos nacionais chineses estão tentando montar essa onda. No fim de 2015, mais que 20 organizações bancárias chinesas haviam montado 1,300 locais em todo 59 países e territórios, segundo dados do Banco da China.

“Empréstimos no exterior dos bancos chineses aumentou em mais de $600 bilhões desde 2010 para chegar perto $1 biliões no final de 2015, e tendem a crescer ainda mais com o apoio do governo para as empresas ‘Go Global’ políticas,”Escreveu o FMI em um relatório de agosto‘crescente influência da China na Ásia Mercados Financeiros’.

China_Banks_Deploy

China investimento directo no exterior (ODI). (Fonte: FMI)

China Construction Bank, o segundo maior banco por ativos, está olhando para expandir sua pegada de 24 para 40 países e aumentar a contribuição estrangeira de lucro antes de impostos de 1.7 por cento a partir de 2015 para 5 por cento até 2020, de acordo com seu presidente em um discurso recente em Hong Kong.

Entre seus pares, Bank of China tem a maior operação no exterior, contribuindo para 23 por cento de seu lucro antes de impostos no ano passado.

Contrariando uma tendência

Os bancos chineses estão girando no estrangeiro, enquanto bancos globais estabelecidas estão reduzindo.

Dez anos atrás, sediada em Nova York Citigroup Inc. teve uma presença no varejo abrangendo 50 países de Tóquio para Madrid servindo quase 270 milhões de pessoas em todo o mundo. Mas o lucro e pressões regulatórias ter causado o banco para fechar ou alienar operações em mais da metade desses locais, incluindo a Turquia, Guatemala, e no Japão.

O retrenching no Citi, HSBC, e outros bancos globais tem sido rápido e dramático. O objetivo é obter mais magro, incidindo sobre os clientes mais rentáveis, como high-net-worth indivíduos e corporações multinacionais.

Isso também tem sido uma meta de bancos-como chineses consumidores ricos e ambas as empresas privadas e estatais procura de ativos estrangeiros, os bancos têm sido lá para dar.

Há também um componente político para a expansão. state-dirigiu “Uma correia da China, Uma iniciativa Road”têm forçado os bancos chineses para entrar em mercados emergentes no Oriente Médio e Ásia Ocidental, onde os bancos de outra forma não arriscaria. Essa é uma das principais razões das “cinco grandes” bancos chineses têm estado à frente de bancos menores em expandir no exterior.

Empurre regulamentar Voltar

atividades dos bancos chineses estão sob crescente escrutínio, especialmente na Austrália, onde eles já exportou o empréstimo hiper que alimentou verdadeira bolha imobiliária da China.

Os bancos chineses têm financiado a maioria das recentes compras chinesas de propriedade e corporações na Austrália. Empréstimos originados por filiais australianas de bancos chineses aumentou em quatro vezes a taxa de crescimento de empréstimos originados a nível nacional durante o primeiro trimestre de 2016, de acordo com dados do governo australiano. Isso levou os reguladores a alertar que tal expansão rápida pelos credores estrangeiros pode se tornar uma ameaça sistêmica ao sistema financeiro da Austrália.

“Um deles é o dever de observar que há uma história de jogadores estrangeiros em expansão agressiva no auge só para ter a recuar rapidamente quando os tempos mais difíceis vêm,”Reserve Bank of Australia governador Glenn Stevens disse em um discurso em Sydney março. Stevens não destacar China especificamente.

Falta de controles que aderirem ao quadro regulamentar externa mais rigorosa é outro risco comum enfrentado pelos bancos chineses com aspirações no exterior. Os EUA. Federal Reserve no mês passado ordenou o ramo de Nova York do Banco Agrícola da China para melhorar a sua anti lavagem de dinheiro (AML) infra-estrutura depois de examinadores encontrou “deficiências significativas” em seus controles de AML.

Enquanto o Fed não especificou que as violações foram, o regulador disse em setembro. 29 que tinha encontrado grandes falhas na gestão de riscos - monitoramento e combate transações bancárias ilícitas - a filial local do banco.

Banco Agrícola da China é o exemplo mais recente de bancos tendo dificuldades chineses com U.S. AML e conheça o seu cliente regras. O Fed deu avisos semelhantes no ano passado para o Bank of China e China Construction Bank em relação aos procedimentos de AML.

E não há razão para o escrutínio. Global Financial Integrity, um cão de guarda da indústria financeira com sede em Washington, Estima-se que entre 2004 e 2013 China foi a maior fonte mundial de saídas monetárias ilícitas, de acordo com a Reuters. China representaram cerca de 28 por cento do $4.9 trilhão em fundos ilícitos que se deslocam de dez maiores economias do mundo.

bancos “Big Five” da China estão se aproximando 10 trilião yuan em activos combinados ultramarinos.

Ocupando da Gap

Apesar dos desafios, bancos “Big Five” da China estão se aproximando 10 trilhão de yuans ($1.5 trilhão) em ativos no exterior combinados pela primeira vez.

Mas eles ainda ficam atrás de seus pares globais em muitos aspectos e têm modelos de negócios inadequados. “A confiança sobre a receita de juros [em bancos chineses] como um modelo de lucro mais definitivamente requer mudança,”De acordo com um estudo conjunto da Universidade PwC-Renmin na internacionalização de bancos.

atualmente, Os bancos chineses fornecem uma rede de apoio financeiro para as empresas chinesas e nacionais em mercados estrangeiros, especialmente porque as empresas chinesas precisam transferir dinheiro para fazer aquisições no exterior ou investir em R locais&D.

Os bancos geralmente o foco em banca comercial e comerciante, e não oferecer um conjunto de produtos completo, incluindo gestão de activos ou de banco de investimento como seus pares internacionais. À medida que mais países e organizações usar o yuan para liquidar pagamentos, influência e produtos no exterior carteira dos bancos chineses poderia crescer.

Essa é a parte mais fácil. Mas os bancos chineses não têm o elemento mais importante para o sucesso de qualquer banco: Confiar em.

Os principais bancos chineses responder ao Partido Comunista Chinês, não seus clientes. Seus sistemas e processos são muitas vezes arcaico. Por razões políticas, credores estatais evitam global de software líder da indústria para sistemas desenvolvidos internamente. gestão de risco e governança corporativa é muitas vezes negligente.

Para os bancos chineses, a estrutura de negócios para a expansão global está em vigor. A confiança? Não muito.

Leia o artigo completo aqui
setembro 27, 2016

As pessoas trabalham em uma plataforma de engenharia de petróleo offshore em Qingdao, China, julho 1, 2016.  De acordo com a pesquisa independente China Livro Bege, a economia se estabilizou, mas esta melhoria tem um preço.
(STR / AFP / Getty Images)As pessoas trabalham em uma plataforma de engenharia de petróleo offshore em Qingdao, China, julho 1, 2016.  De acordo com a pesquisa independente China Livro Bege, a economia se estabilizou, mas esta melhoria tem um preço.
(STR / AFP / Getty Images)

Ninguém acredita que os dados econômico chinês oficial, mas as pessoas ainda tem que usá-lo em sua análise, porque não há muitas boas alternativas.

Os dados oficiais 2016 diz-nos imóveis na China é borbulhante, crédito está crescendo aos trancos e barrancos, atividade manufatureira está saltando para trás, e Estado empresas públicas (SOEs) estão investindo como se não houvesse amanhã, enquanto suas contrapartes privadas estão batendo suas carteiras fechadas.

Enquanto isso, os lucros da maioria das empresas estão sofrendo. Lutando para pagar suas dívidas maciças, alguns deles têm até mesmo dobrado e saído do negócio.

Então, se os dados oficiais não é confiável, O que realmente está acontecendo? Felizmente, nós temos o Livro Bege China (CBB) para nos dizer o que está acontecendo nas conclusões ground and deste trimestre, em grande parte traseira da narrativa oficial.

Sobre os dados do chão faz backup Teoria Stimulus

CBB coleta dados de milhares de empresas chinesas a cada trimestre, incluindo algumas entrevistas em profundidade com executivos e banqueiros locais. Embora a CBB não dá números de crescimento definitivos, ele registra quantas empresas aumentaram as suas receitas ou quantos demitiu trabalhadores, por exemplo.

Mais importante, o relatório CBB para o terceiro trimestre de 2016 faz o backup a alegação do regime chinês recorreram ao estímulo da velha escola de manter o emprego de entrar em colapso, derramando assim a água fria sobre as esperanças de um reequilíbrio a uma economia de consumo e serviços.

“Os motores de crescimento neste trimestre foram exclusivamente‘economy'-fabricação de idade, propriedade, e commodities. Os ‘novos economy'-serviços, transporte, e, especialmente, varejo viu resultados mais fracos,”Os relatórios afirma.

(China Livro Bege)

(China Livro Bege)

Em sincronia com os indicadores de produção oficiais, o Livro Bege China registra aumento de receita em 53 por cento das empresas de manufatura, um cheio 9 pontos percentuais superior ao último trimestre.

O sector imobiliário é vermelho-quente de acordo com dados oficiais com preço de dois dígitos e aumentos de vendas. adequadamente, CBB relatórios 52 por cento das empresas aumentaram as suas receitas, 4 pontos percentuais mais do que no último trimestre.

mais Debt

Ambos fabricação e propriedade recuperou por causa de um aumento da dívida e infra-estrutura de investimento, principalmente para hipotecas residenciais, bem como o investimento por empresas estatais.

“O número de empresas que tomam empréstimos saltou do chão temos visto nos últimos três trimestres para seu nível mais alto em três anos,”estados CBB.

De acordo com dados oficiais, empréstimos bancários cresceu 13 por cento em agosto em comparação com um ano antes e relata a CBB 27 por cento das empresas aumentaram seus empréstimos, um cheio 10 pontos percentuais do que no trimestre anterior.

“Se as vendas e os preços continuam a subir no quarto trimestre, será devido a ainda mais alavancagem,”CBB diz sobre o setor imobiliário. De acordo com o Banco Popular da China (PBOC) dados, empréstimos às famílias composta 71 por cento dos novos empréstimos bancários, em agosto.

(Economia Capital)

(Economia Capital)

O relatório também confirma que as estatais investiram mais com 60 por cento deles aumentando suas despesas de capital, acima 16 pontos percentuais em relação ao segundo trimestre.

“Impaciente para um crescimento mais forte, políticos chineses eram susceptíveis de engavetar seu
objetivo reequilíbrio, e ‘double-down’ no crescimento baseado no investimento,”Fathom Consulting afirmou em um relatório recente sobre China. Os números no chão confirmar essa avaliação.

reciprocamente, menores empresas privadas não investir muito em tudo. As empresas mais pequenas aumentaram o investimento em 34 por cento dos casos, comparado com 44 por cento no trimestre anterior.

“Enquanto nós ainda vemos empréstimos bancários ... como o piloto mais importante para a infra-estrutura no curto a médio prazo, esperamos que o seu crescimento sustentável a depender do envolvimento mais capital privado,”O banco de investimento Goldman Sachs escreve em um relatório.

Preço a pagar

Esta estratégia planejada centralmente tem um preço, Contudo. "CBB dados mostram lucros e fluxo de caixa deteriorado, lançando uma cortina de fumaça sobre os aumentos registrados em empréstimos e investimentos,”O relatório afirma com apenas 45 por cento das empresas que relatam um aumento nos lucros, comparado com 47 por cento no último trimestre. CBB também aponta que o fluxo de caixa deteriorou em toda a linha, explicando a subir em padrões da empresa este ano.

A principal razão para este estímulo renovado, de acordo com a CBB, é o medo do regime chinês do desemprego, que começou a mostrar-se em dados CBB no segundo trimestre. A taxa de desemprego oficial é vergonhosamente pouco fiáveis ​​porque tem sido ficar em 4 por cento para os últimos dez anos.

Então, depois de ofensiva deste trimestre do investimento, 38 por cento das empresas disseram que contratou mais pessoas no terceiro trimestre. “Contratação foi novamente forte e é justo dizer que esta é a questão mais importante para o governo central,”estados CBB.

Mas comprar um pouco de crescimento e de emprego com um pouco de crédito é um velho truque? E sobre o reequilíbrio muito elogiado e reforma?

“Uma economia mais orientada para o serviço dará origem a uma maior participação da renda do trabalho no PIB, mas uma política fiscal mais redistributiva é necessário para derrubar a desigualdade de renda, e fornecer mais igualdade de oportunidades para ambos os domicílios urbanos e rurais,”O Fundo Monetário Internacional (FMI) escreveu em um relatório recente.

ai, os dados CBB no chão não confirma isso está acontecendo em tudo. Se alguma coisa, o terceiro trimestre foi um passo para trás.

"Serviços, transporte, e os lucros de serra especialmente no varejo duramente atingida no trimestre,”estados CBB. Somente 53 por cento das empresas de serviços relataram um aumento nos lucros, comparado com 57 por cento no último trimestre.

Leia o artigo completo aqui

Os pedestres andam após o Banco Popular da China em julho 8, 2015. O banco central em setembro. 23 operações interbancárias aprovado de credit default swaps. (Greg Baker / AFP / Getty Images)Os pedestres andam após o Banco Popular da China em julho 8, 2015. O banco central em setembro. 23 operações interbancárias aprovado de credit default swaps. (Greg Baker / AFP / Getty Images)

A China tem um problema de dívida, e é desesperada o suficiente para empregar drásticas e perigosas meio-enfrentá-la.

reguladores chineses em setembro. 23 negociação aprovado de um derivado financeiro complexo chamado credit default swaps (CDS) que fornece seguro de investidores contra defaults. Os sinais de movimento que Pequim pode finalmente permitir mais inadimplência e até falência de empresas estatais.

Mas esses swaps são uma faca de dois gumes perigosa. O mercado de CDS expandiu nos Estados Unidos antes da crise financeira global. A sua utilização generalizada na especulação, falta de transparência e regulação, ea complexidade agravado os efeitos da crise e contribuíram diretamente para o colapso e resgate da seguradora AIG em 2008.

PBOC delineado regras de engajamento para o uso de CDS após semanas de consultoria com bancos e corretoras em toda a China. O regulador tinha considerado aprovar os swaps em 2010, mas como padrões de títulos eram relativamente inédito de antes 2014, o mercado tinha pouco apetite no CDS comerciais.

default swaps já existem no Ocidente desde a sua criação por J.P. Morgan, em meados da década de 1990. Em seu núcleo, CDS permite uma festa para comprar ou vender (Escreva) seguro que paga, se uma empresa não pagar juros ou de capital. Semelhante a um contrato de seguro, o partido de comprar a troca paga prêmios, enquanto a parte vendedora a troca recebe os prémios. Em caso de incumprimento ou outro evento de crédito o vendedor deve compensar o comprador por uma quantidade especificada no contrato de CDS, geralmente a diferença entre o preço no momento do contrato eo preço terminando.

Pequim nunca foi tão confortável em permitir que empresas, especialmente empresas estatais (SOEs), dar calote em seus títulos. Isso é para não proteger os investidores per se; qualquer empresa calote em sua dívida é efetivamente impedido de levantar novas dívidas, impedindo assim o acesso ao capital de giro crucial como muitas empresas estatais são efetivamente insolvente caso contrário.

Locais e regionais governos de que dependem as empresas estatais para fornecer empregos, arrecadação, e as figuras, muitas vezes o crescimento econômico local intervir para ajudar lutando empresas pagar títulos. Mas desde o ano passado, capacidade dos governos locais para ajudar foi diminuída devido à desaceleração do crescimento econômico e do enfraquecimento dos preços imobiliários.

Mais Padrões Ahead

Então como é que o plano China de usar CDS de ajudar seu problema da dívida? Primeiro, swaps diminuir a pressão para que as autoridades chinesas a agir recuo como inicial sobre defaults de títulos, com os investidores usando CDS para cobrir as suas obrigações de, em teoria, ser protegidos.

em segundo lugar, o subsídio de CDS dá bancos e corretoras uma maneira de proteger sua carteira de empréstimos e empréstimos non-performing. “Para ter CDS é uma coisa muito boa, porque, tão longe, não há ferramentas de hedging significativas no mercado interno. O mercado tem alta demanda por esses instrumentos,"Liu Dongliang, analista da China Merchants Bank, disse Bloomberg na semana passada.

China_default

(O Epoch Times)

Os analistas também acreditam que a decisão é um sinal de que o regime comunista chinês pode permitir que mais defaults de títulos. Essa é a principal razão para. Depois de tudo, se as autoridades não acreditam que a taxa de incumprimento de obrigações aumentaria, não haveria a necessidade de introduzir tais contratos de seguro.

E há cada vez mais provas para apoiar essa conclusão. Nove meses depois de Guangxi Nonferrous Metals Group cumprido as suas obrigações, o tribunal provincial em setembro. 12 permitiu à empresa metais ir à falência e liquidar. É uma decisão-o momentoso empresa tornou-se o primeiro SOE chinês autorizado a liquidar depois de calote em títulos.

Tão longe, não há ferramentas de hedging significativas no mercado interno.

- Liu Dongliang, Banco dos Mercadores da China

Mais empresas empresas de primeira linha semelhante ao Guangxi Metais Não-Ferrosos-inferiores em regiões remotas e apoiada por governos locais, são esperados para o padrão. “É muito importante reconhecer que nem todas as empresas estatais são iguais em sua probabilidade de suporte receber,”Disse Ivan Chung, Associate Managing Director Moody.

“Se você olhar para a frente três a cinco anos, parece cada vez mais provável que as entidades governamentais locais terão de ficar cada vez mais por conta própria e a probabilidade de apoio substancial do governo irá gradualmente diminuir para aqueles que não fornecendo uma mercadoria ou serviço público relacionadas com as prioridades nacionais, enquanto seus objectivo exclusivo ou predominante,”Chung disse.

Passando a batata Credit Hot

O setor financeiro chinês tem motivos para aplaudir um mercado de CDS líquido. Mas há uma grande questão deixada sem resposta: que vai escrever os swaps e, por sua vez, assumir o risco de inadimplência?

Será que vão ser os bancos, as sociedades gestoras de activos dirigidos pelo Estado, ou talvez as companhias de seguros que têm um mandato invejável para proteger as pensões de milhões de trabalhadores chineses? Pequim fala muito sobre “partilha” o risco de default-se simplesmente olhando para transferir o risco de inadimplência de vários níveis de governo para os sectores bancário e dos seguros?

Há uma série de outros desafios para o trabalho através. Qual será o quadro legal em torno de operações de swap parecer para a China? O Swaps and Derivatives Association Internacional (FISH) simplificou a maior parte da linguagem e termos em torno de “plain vanilla” contratos de CDS em mercados ocidentais. investidores ocidentais na China provavelmente exigir mais esclarecimentos sobre a aplicação e liquidação de swaps.

Preços volatilidade poderia ser outra das minas terrestres para CDs investidores e reguladores. o spread, ou o preço o comprador de protecção deve pagar sobre o valor nocional do vínculo referenciado, será extremamente difícil de determinar por swaps chineses. A probabilidade de governos locais ou regionais para intervir e evitar defaults é imprevisível, e essas possibilidades podem resultar em oscilações de preços selvagens.

Criação de um novo problema?

Os credit default swaps também introduzir conseqüências indesejáveis, o que levou Warren Buffett para descrever tais instrumentos como “armas financeiras de destruição em massa.” Muitos desses efeitos exacerbou a 2007-2008 crise financeira global.

Swaps podem ser facilmente usadas por especuladores para apostar em defaults, devido ao relativamente pequeno esforço necessário para fazer uma aposta. A parte que não possua um vínculo particular pode apostar em seu padrão Ao entrar em um CDS nuas, enquanto há um tomador do outro lado do contrato. Comprar um CDS nus é semelhante a fazer um seguro de vida no doente de um vizinho-lo cria o risco moral desnecessário para infligir mais danos em um mercado de títulos SOE já tênue.

China deve pensar sobre como regular o seu mercado de CDS. Se não for controlada, swaps nuas seria composto choques ao mercado financeiro em caso de inadimplência em massa. Um porta-CDS nu não precisa possuir o vínculo referenciado. Portanto, se um incumprimento das obrigações, as perdas não estão limitados apenas aos detentores do próprio vínculo, mas potencialmente milhares de outros bancos, companhias de seguros, e outros investidores que podem ter escrito swaps no mesmo vínculo.

CDS também pode distorcer o mercado e se esconder verdadeiras concentrações de risco de reguladores. Que antecederam a crise financeira, unidade de produtos financeiros da AIG subscreveu default swaps em mais de $440 bilhões em títulos garantidos por activos. Quando esses títulos inadimplentes en masse, a gigante dos seguros foi subitamente confrontados com responsabilidades que não podiam pagar, em última análise, trazendo o seu colapso e $180 bilhões em ajuda do governo.

No topo da gestão do risco de crédito, os investidores também devem monitorar riscos de contraparte para determinar se o vendedor do CDS (contraparte) é capaz de pagar em caso de incumprimento. No caso da AT, não era, e milhares de investidores que se pensava seus riscos foram completamente coberto sofreu um despertar rude quando AIG entrou em colapso.

Swaps pode se espalhar ao redor do risco de default, mas eles adicionar outra camada de complexidade para os investidores e uma montanha de problemas para os reguladores.

Enquanto Pequim se prepara uma nova maneira de lidar com a crise da dívida, ele pode ter inadvertidamente lançou as sementes de uma crise futura.

Leia o artigo completo aqui

Os líderes mundiais reunidos em Brisbane, Austrália, para a cimeira anual do G20. (Andrew Taylor / G20 Austrália via Getty Images)Os líderes mundiais reunidos em Brisbane, Austrália, para a cimeira anual do G20. (Andrew Taylor / G20 Austrália via Getty Images)

Análise Notícias

Crescimento inclusivo, energia verde, mais comércio, e um afastamento da gestão da crise financeira a longo prazo de planejamento de esses são os objetivos oficiais da 2016 reunião do G-20 em Hangzhou, China.

E não seria ótimo se os líderes das maiores economias do mundo só poderia virar uma chave quando se encontram setembro. 4-5, esquecer os enormes problemas econômicos, e se concentrar em um futuro próspero?

“A liderança da China conduziu o debate para facilitar o G-20 para se deslocar de gestão de crises financeiras de curto prazo para uma perspectiva de desenvolvimento a longo prazo,”U.N. Secretário-Geral Ban Ki-moon disse aos jornalistas chineses em Nova York em agosto. 26, de acordo com a agência de notícias estatal Xinhua.

Mas a realidade não é assim que funciona e enormes atritos já se encontram abaixo da superfície, especialmente sobre o anfitrião. Além de uma situação geopolítica muito confuso no Mar do Sul da China, Reino Médio enfrenta uma crise econômica em casa.

Nem o Ocidente nem a China sabe como lidar com os problemas de excesso de capacidade e de dívida da China sem arruinar o comércio mundial e globalização totalmente, muito menos promover o crescimento inclusivo e energia verde.

“A China está bravo com quase todo mundo no momento,”Um diplomata ocidental com sede em Pequim disse ao The Fiscal Tempos. “É um campo minado para a China.”

Efeito global

Apesar sistema financeiro relativamente fechada da China, o crescimento econômico de muitos países, como o Brasil ea Austrália, depende de enorme consumo de mercadorias da China. Outros países, como os Estados Unidos, não são vitalmente dependente de entradas chinesas de capital, mas nos acostumamos a títulos do Tesouro de negociação e New York imobiliário para produtos chineses baratos.

Idealmente, o Ocidente iria encorajar a China em sua busca oficial para reformar e reequilibrar a sua economia de exportação de fabricação e investimento em infra-estrutura para um serviço mais- e na economia do consumo.

Dos Estados Unidos ea maioria do défice comercial da Europa com a China seria reduzido. O consumidor chinês teria mais renda para consumir em casa, importação de bens e serviços ocidentais em vez de mercadorias.

Não há mundo após o amanhã onde a China desvaloriza por 20 por cento.

- Hugh Hendry, diretor gerente de carteira, Eclectica Asset Management

“As reformas estruturais necessárias tornaria o maior mercado consumidor do mundo. Cada outra economia beneficiaria,”Economista independente Andy Xie escreveu no South China Morning Post.

Os líderes chineses e meios de comunicação do Estado têm sublinhado repetidamente que estão por trás dessa meta. “O que é chamado de não é correções temporárias: Meu governo tem resistido às tentações de flexibilização quantitativa e desvalorização da moeda competitiva. Ao invés, nós escolhemos reforma estrutural," Xinhua citou Premier Li Keqiang, que disse que o país não tem Plano B.

líder Regime Xi Jinping voltou a sublinhar a importância da reforma em uma reunião dos Central Leading Group para aprofundamento da reforma geral. “O país deve se concentrar mais em reformas do sistema econômico e melhorar os mecanismos fundamentais que suportam estas revisões," Xinhua escreveu cerca de um comunicado divulgado pelo grupo.

Contudo, China não tenha inteiramente seguido com as reformas, o que fará com turbulência de curto prazo, e os governos locais não estão preparados para lidar com a agitação do trabalhador. Até 6 milhões de pessoas perderão seus empregos por causa do programa de reequilíbrio do regime, eo funcionário taxa de desemprego poderia atingir 12.9 por cento, de acordo com um relatório da empresa de pesquisa de Fathom Consulting.

Por exemplo, Província de Hebei deveria fechar 18.4 milhões de toneladas de capacidade de produção de aço em 2016. Até o final de julho, ele só tinha fechado 1.9 milhões de toneladas, de acordo com Goldman Sachs.

(Goldman Sachs)

província de Hebei deveria fechar 18.4 milhão de toneladas de capacidade de aço de produção anual e só conseguiu fechar 1.9 milhões de toneladas até o final de julho. (Goldman Sachs)

As economias da Austrália, Brasil, Rússia, e África-todas as South grandes exportadores de-são commodities diminuindo porque as importações chinesas entraram em colapso, queda 14.2 por cento em 2015 sozinho, de acordo com a Organização Mundial do Comércio. Dentro 2015, importações de mercadorias mundial caiu 12.4 por cento, enquanto as exportações mundiais de mercadorias caiu 13.5 por cento.

As exportações australianas e importações (Organização Mundial do Comércio)

As exportações australianas e importações. (Organização Mundial do Comércio)

Este colapso do comércio mundial aconteceu antes que a China ainda começou a implementar seus objetivos de reduzir o excesso de capacidade, liberalização da conta de capital, e flutuando a sua moeda.

Ao invés, foi ganhando tempo, empurrando crédito na economia e gastá-lo em investimentos de infra-estrutura por meio de empresas estatais e governos locais, enquanto empresas privadas têm jogado a toalha.

(Morgan Stanley)

(Morgan Stanley)

Problema da dívida

A China também disse bancos para não empurrar as empresas inadimplentes em default, mas em vez de fazer seus empréstimos evergreen ou troca de dívida por capital próprio.

A verdadeira questão o Ocidente ea China deve estar se perguntando quanta dor que eles podem suportar no curto prazo para atingir as metas de reforma chinês e alcançar um reequilíbrio em direção a uma economia de consumo.

“Para evitar uma crise financeira que seria ruim para a China eo mundo, o governo precisa apertar restrições orçamentárias, permitir que algumas empresas vão à falência, reconhecer as perdas no sistema financeiro, e recapitalizar bancos, se necessário. ... A história mostra que faz mais sentido para ajudar os trabalhadores e as comunidades afetadas, em vez de tentar manter as empresas vivas que não têm nenhuma perspectiva de sucesso,”Brookings Institution afirmou em um artigo sobre o assunto.

Contudo, as soluções propostas, que, a longo prazo seria bom para a China e para o mundo, não pode acontecer sem perturbar o sistema financeiro global no curto prazo.

O investidor bilionário Jim Rogers identificou a principal questão em uma entrevista com Real Vision TV: “Eu certamente gostaria de ver mais as forças de mercado em todos os lugares, incluindo na China. Se isso acontecer, você provavelmente verá mais flutuações no valor da moeda “.

O que soa inocente, Contudo, será ainda mais prejudicial para o comércio mundial e do sistema financeiro global. Se a China quer realizar as perdas que acumularam através 15 anos de má alocação de capital, ele terá para recapitalizar os bancos, no montante de $3 trilhão.

É impossível fazer isso sem intervenção pesada do banco central do tipo Li Keqiang queria evitar. Por outro lado, poupadores chineses vão tentar mover ainda mais dinheiro para o exterior para proteger o poder de compra da moeda.

Dentro 2015 sozinho, China perdeu $676 bilhões em saídas de capital, principalmente porque os residentes e empresas queriam diversificar suas economias, a maioria dos quais são amarrados no sistema bancário chinês.

Se a China para reestruturar a dívida corporativa e recapitalizar os bancos em grande escala, moeda iria desvalorizar em pelo menos 20 por cento, de acordo com a maioria dos especialistas.

Fechar Trade

Porque a China é um jogador tão grande, exportação e importação $4 trilhões de bens e serviços em 2015, uma 20 por cento desvalorização da moeda chinesa iria destruir o mecanismo de preços atual para importadores e exportadores de todo o mundo-um cenário de destruição mutuamente assegurada.

“O mundo é longo. O euro se rompe; simplesmente não há euro nesse cenário. Tudo bate na parede. Não há mundo após o amanhã onde a China desvaloriza por 20 por cento. Sua participação no comércio mundial nunca foi tão alta. ... Você destruiria fabricação global,”Hugh Hendry, diretor gerente de portfólio da Asset Management Eclectica, disse à TV Real Vision.

O comércio global para as economias desenvolvidas já está em recessão (Organização Mundial do Comércio)

O comércio global para as economias desenvolvidas já está em recessão. (Organização Mundial do Comércio)

Para a própria China, um importador líquido de produtos alimentares, uma desvalorização faria necessidades ainda mais caro para a grande maioria da população, adição de uma camada de agitação social no topo das pressões de desemprego.

Assim, a China é condenado se fizer e condenado se não o fizerem. Mesmo o Ocidente não vai favorecer um cenário de desvalorização rápida e doloroso e não é a melhor forma de oferecer muitas alternativas.

A outra opção, possivelmente discutido portas fechadas na L-20, é um cenário Japão. China não vai perceber dívidas incobráveis, irá manter as empresas zumbis vivos, e impedirá que o dinheiro de mudança para o estrangeiro, calote em sua ambiciosa agenda de reformas.

“Em vez de um ajuste rápido, uma ‘abordagem de ajuste gradual’ nos deixaria com o resultado de um longo período de excesso de capacidade, pressões desinflacionárias, e declínio do crescimento nominal e retorna na economia,”Banco de investimentos Morgan Stanley afirmou em nota.

China, o Oeste, e Japão compartilham o mesmo problema do excesso de dívida e não há maneira expediente para se livrar dele. Por não nomear os problemas reais na mão e escolhendo temas sentir-se bem, em vez, o G-20 já admitiu a derrota em encontrar uma solução para o problema.

Leia o artigo completo aqui

yuan chinês nota em uma agência do Banco Industrial e Comercial da China (ICBC), Em março 14, 2011 em Huaibei, China. O governo chinês está gastando agora até 15 por cento do PIB em estímulo fiscal. (ChinaFotoPress / Getty Images)yuan chinês nota em uma agência do Banco Industrial e Comercial da China (ICBC), Em março 14, 2011 em Huaibei, China. O governo chinês está gastando agora até 15 por cento do PIB em estímulo fiscal. (ChinaFotoPress / Getty Images)

Por anos, o mundo ficou maravilhado com a da China reservas internacionais ($4 trilhão em seu pico em 2014) e endividamento de baixo governo, 21 por cento de PIB no final de 2015.

Isso está prestes a mudar, Contudo, como gastos fiscais foi-se 15.1 por cento no primeiro semestre de 2016 para combater uma desaceleração da economia e atingir o oficial alvo crescimento PIB.

“Rebote crescimento da China no primeiro semestre deste ano foi fortemente apoiada por uma política fiscal ativa que tem significativamente front-loaded gastos on-budget e fomentou um forte crescimento do investimento fora do orçamento em infra-estrutura,”Goldman Sachs escreve em uma nota aos clientes.

distribuição dívida da China (Macquarie)

distribuição dívida da China (Macquarie)

O governo diz que o déficit no orçamento deste ano é de apenas cerca 3 por cento do PIB. Alguns banqueiros centrais quer impulsionar-lo para 5 por cento, porque eles acham que a política monetária por si só não será capaz de manter a economia em conjunto.

Se eles estão tentando resistir a uma desaceleração induzida pela dívida com mais dívida e por quarto perdendo no balanço do governo central, Eu estou com medo China está caminhando para um destino pior do que o Japão.

- Worth Wray, Wealth Management STA

Além disso, as pessoas estão começando a olhar para dívida do governo chinês diferentemente. De acordo com estimativas da Goldman Sachs, déficit fiscal total da China está se aproximando 15 por cento em vez de 3 ou 5 por cento.

“Tentamos‘Aumentar’as medidas oficiais de política fiscal, incorporando fora do orçamento política de quasi-fiscal para obter uma imagem completa da postura de autoridade fiscal da China,”Goldman Sachs escreve.

déficit fiscal total da China de acordo com cálculos do Goldman Sachs (Goldman Sachs)

déficit fiscal total da China de acordo com cálculos do Goldman Sachs (Goldman Sachs)

Para chegar ao 15 por cento, Goldman olha gastos em infraestrutura no total, que é impulsionado pelo governo central, Empresas Estatais (SOE), ou governos locais. As estatais estão em dívida para com a melodia de 101 por cento do PIB e os governos locais através de seus veículos off-financiamento do balanço ter sobre 40 por cento do PIB.

"Especificamente, nós resumir a investimentos em ativos fixos em sectores como os transportes, armazenamento, e serviço postal, e conservação de água, meio ambiente e utilitário de gerenciamento. Assumimos a maior parte da despesa nestes sectores é fortemente orientada para o estado,”O banco escreve, observando que a análise não é completa, mas oferece um bom substituto.

A explosão recente dos investimentos foi realizada por Empresas Estatais chinesas (Economia Capital)

A explosão recente dos investimentos foi realizada por Empresas Estatais chinesas (Economia Capital)

A teoria sustenta-se quando se olha para gráficos de investimentos em ativos fixos por setor estatal, que ampliada à frente no início do ano, mas recentemente puxado para trás.

Parcerias Público-Privadas

Porque investimento por empresas privadas se tornou negativo, o regime está tentando continuar o estímulo fiscal e obter o setor privado envolvido através dos chamados parcerias público-privadas (PPP).

De acordo com a Xinhua, China quer financiar 9,285 projetos no valor de $1.6 trilhão em projetos de infraestrutura, como transporte público ou instalações, como estádios desportivos. De acordo com a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC), $151 bilhões desses projetos foram assinados no final de julho 2016.

As estatais também são centrais para a questão do excesso de capacidade.

- Goldman Sachs

O banco de investimentos Morgan Stanley não acho que as iniciativas terão sucesso, Contudo.

“Esperamos PPP ter impacto limitado sobre o crescimento do investimento da China, considerando o tamanho pequeno de projetos de PPP em execução, ainda baixa participação privada, e mais fraco [crédito] crescimento,”Morgan Stanley escreve em uma nota.

Portanto, parece que as empresas estatais terão de fazer o trabalho pesado novamente, apesar de falências de montagem e retornos sobre o investimento abismais.

“As empresas estatais também são centrais para a questão do excesso de capacidade. De acordo com uma pesquisa oficial, a proporção média de utilização na indústria de transformação foi 66.6 por cento em 2015, com redução de 4.4 pontos percentuais em comparação com 2014. A maior parte dos sectores que enfrentam problemas de excesso de capacidade são dominadas por empresas estatais, tais como o aço e o carvão,”Escreve Goldman.

Worth Wray, o chefe estrategista da STA Wealth Management pensa motivos de curto prazo poderia estar por trás da explosão em gastar este ano.

“Se isto é sobre a compra de tempo, até depois da reunião do G20 em setembro, após a inclusão do yuan na Fundo Monetário Internacional (FMI) cesta de moeda de reserva em outubro, e depois da U.S. eleição presidencial em novembro. Então eu posso entender por que enorme estímulo fiscal e de crédito em 2016 poderia fazer sentido.”

Longo prazo, Contudo, esta estratégia não será sustentável, de acordo com Wray: “Se eles estão tentando resistir a uma desaceleração induzida pela dívida com mais dívida e por quarto perdendo no balanço do governo central, Temo China está caminhando para um destino pior do que o Japão.”

Assim será a farra de gastos continuam? Goldman diz que sim, o governo quer atingir sua meta oficial do PIB para 2016.

Leia o artigo completo aqui

Trabalhadores distribuir pacotes em S.F. Expressar em Shenzhen, China, on Nov. 11, 2013. empresas privadas na China pararam de investir em uma maior expansão na 2016. (ChinaFotoPress / ChinaFotoPress via Getty Images)Trabalhadores distribuir pacotes em S.F. Expressar em Shenzhen, China, on Nov. 11, 2013. empresas privadas na China pararam de investir em uma maior expansão na 2016. (ChinaFotoPress / ChinaFotoPress via Getty Images)

Anteriormente, o motor do crescimento relativamente eficiente, parece que o setor privado tenha desistido na China. Investimento das empresas privadas foi negativa em Junho e diminuiu outra 0.6 por cento em julho. Está certo, mês crescimento negativo ao longo do mês, algo completamente incompreensível durante os anos de boom de acima 20 por cento de crescimento apenas alguns anos atrás.

“Acreditamos privada [investimento] desaceleração é mais estrutural desta vez, arrastado por mais fraco retorno do investimento ea queda da confiança do negócio em meio a reformas limitadas e desregulamentação. Strong Empresa Estatal (SOE) investimento é improvável para compensar integralmente a fraqueza, em vez de, que poderia criar mais excesso de capacidade e deteriorar retornos de capital,”O banco de investimento Morgan Stanley escreve em uma nota.

Para o primeiro semestre de 2016, investimento privado é apenas até 2.4 por cento em relação ao ano. Isto é preocupante porque o setor privado é responsável pela maior parte do desenvolvimento econômico real da China e relativamente eficiente alocação de capital.

O governo vai tentar cooptar o setor privado a gastar por meio de políticas monetárias e fiscais.

- Viktor Shvets, estrategista mundial, Macquarie Securities

Para equilibrar o declínio no investimento privado, o estado usou as estatais como instrumentos de política fiscal countercylical. A participação da SOE de investimento em ativos fixos aumentou 23.5 por cento em comparação com a primeira metade de 2015. Por causa de investimentos ineficientes de anos anteriores, excesso de capacidade, e padrões de montagem, Morgan Stanley acha que isso é mal aconselhado.

(Morgan Stanley)

(Morgan Stanley)

Morgan Stanley observa que as empresas privadas estão evitando setores como mineração e siderurgia, que são infestadas de sobrecapacidade. Mas eles também não podem investir no setor de serviços o que quiserem por causa de elevadas barreiras à entrada e muita regulamentação.

Privado no exterior investimento de leitura de fabricação serviços declinaram 1.1 por cento no primeiro semestre de 2016 durante o ano, comparado com 15 por cento de crescimento 2015. SOEs, por outro lado, investimento impulsionado em serviços 39.6 por cento.

Tanto para um reequilíbrio de sucesso para serviços, que tem sido considerado um pilar do esforço para reformar a economia chinesa. Está acontecendo, mas a pedido do Estado.

(Morgan Stanley)

(Morgan Stanley)

No geral, lá apenas não são suficientes boas oportunidades de investimento ao redor e os custos dos empréstimos para as empresas privadas são tão elevados como 15 por cento, muito maior do que o retorno sobre ativos. Ao contrário de suas contrapartes estatais, empresas privadas realmente tentar ser rentável e eles não vêem os lucros em desaceleração da economia da China.

além do que, além do mais, a falta de progresso na agenda de reformas muito elogiado dói confiança empresarial e visibilidade financeira. Zhang Qiurong, que possui um negócio de papéis especiais disse ao Wall Street Journal: “A perspectiva econômica é realmente severo. Você tem que sobreviver, que vem em primeiro lugar.”

Sr. sentimentos de Zhang são refletidas no Índice de Incerteza Política Econômica China, que tem vindo a aumentar de forma constante em 2016, quase alcançando os níveis recordes de incerteza visto durante a última entrega da liderança do Partido Comunista em 2012.

A perspectiva econômica é realmente severo. Você tem que sobreviver, que vem em primeiro lugar.

- Zhang Qiurong

O resultado da incerteza? As empresas estão stashing dinheiro no banco e só não vai gastar e investir.

“Apesar de cargas de liquidez bombeado para o mercado, empresas preferem depositar o dinheiro em contas correntes na ausência de boas opções de investimento, que está em consonância com recorde de baixa de dados investimento privado,"Sheng Songcheng, chefe de estatísticas e análise pelo Banco Popular da China disse no início deste ano. Caixa e depósitos de curto prazo em bancos cresceu 25.4 por cento em julho.

Para combater as preocupações de bater o investimento privado na China, o regime anunciou prontamente parceria público-privada (PPP) programas de investimento no valor de $1.6 trilhão e abrangendo 9,285 projetos, primeiro relatado pela Xinhua em Ago. 15.

“O governo vai tentar cooptar o setor privado a gastar por meio de políticas monetárias e fiscais,”, Diz Viktor Shvets, estrategista global da títulos Macquarie.

O problema é que esta estratégia é improvável que funcione.

“O impacto da PPP no crescimento do investimento da China é susceptível de ser limitado, considerando a pequena parcela de projetos de PPP em execução (menos que 0.5% do total [investimento]), a relação ainda baixa participação de investidores privados ... A experiência internacional mostra que o financiamento privado do investimento público implica grandes riscos fiscais na ausência de uma boa configuração jurídica e institucional,”Escreve Morgan Stanley. E um bom legal e institucional não é o que a China é conhecida por.

Se o estímulo PPP e de curto prazo monetária e fiscal não funcionará, China realmente tem que entregar em reformas para obter o setor privado a gastar novamente.

Leia o artigo completo aqui

Um trabalhador de um Banco Industrial e Comercial da China Ltd (ICBC) ramo conta o dinheiro que ela serve um cliente de setembro 24, 2014. (JOHANNES EISELE / AFP / Getty Images)Um trabalhador de um Banco Industrial e Comercial da China Ltd (ICBC) ramo conta o dinheiro que ela serve um cliente de setembro 24, 2014. (JOHANNES EISELE / AFP / Getty Images)

Na superfície, China é falando a conversa reforma. Mas é também andar a pé? Há muitos exemplos para demonstrar que não é. O mais recente é uma directiva da Comissão Reguladora Bancária da China (CBRC) para não cortar os empréstimos para empresas em dificuldades e evergreening maus empréstimos. Este primeiro relatado pelo The Chinese diário National Business em Ago. 4.

“Um Aviso Sobre Como os comitês de credores em bancos e financeiras Institutes deve fazer o seu trabalho” diz bancos para “agir em conjunto e não ‘aleatoriamente parar de dar ou puxando empréstimos.’ Estes institutos devem ou fornecer novos empréstimos depois de tomar de volta os antigos ou fornecer uma extensão do empréstimo, a ‘totalmente ajudar as empresas a resolver os seus problemas,'" a National Business Daily escreve.

“É uma grande notícia. Um par de semanas atrás, eles estavam ameaçando Província de Liaoning para cortar todos os empréstimos a eles se eles não apertar padrões de empréstimo,”Disse Christopher Balding, professor de economia na Universidade de Pequim, em Shenzen. “Este é um turn-around bastante significativo para eles fazerem e indica quão significativo é o problema.”

Para dizê-lo tão publicamente ou sem rodeios é incrível

- Christopher Balding, professor, Universidade de Pequim

A narrativa oficial reforma é defendida no esta peça Xinhua que reivindica a China tem de reformar porque Não há plano B. “Reformas estruturais do lado da oferta também está avançando como o país se move para abordar questões como excesso de capacidade industrial, um grande estoque de casas não vendidas e não lucrativas das empresas de zumbis. "” Claramente resolver a inadimplência das empresas zumbis não está no topo da lista de prioridades.

Goldman Sachs reclamou em uma recente nota aos clientes que as empresas podem optar em pagamentos e muitas vezes nada acontece. O banco de investimento observa que empresas como a Sichuan padrão Coal sobre pagamentos de juros e principal durante semanas ou meses e então talvez pagar os credores mais tarde. A empresa em questão moratória de 1 bilhões de yuans ($150 milhão) pena de papel comercial em junho, mas fez pagamentos completos mais tarde durante o verão, um processo um tanto arbitrário.

Outro caso é Dongbei Special Steel, que perdeu pelo menos cinco pagamentos em $6 bilhões da dívida desde o início do ano, mas não fez nada para resolver o problema. É por isso que os credores escreveu uma carta furiosa ao governo local para ajudar a resolver o problema.

Daqui para frente, esperamos que essa tendência continue.

- Goldman Sachs

De acordo com Goldman Sachs, Dongbei foi a razão Província de Liaoning ficou sob pressão:

“A reunião obrigacionistas aconteceu ... com obrigacionistas solicitando que o [reguladores] parar de captação de recursos pelo governo provincial de Liaoning e das empresas na Província de Liaoning, e que os investidores institucionais devem parar de comprar títulos emitidos pelo governo Liaoning e das empresas na Província de Liaoning. De acordo com relatórios de notícia, essa demanda decorre de decepção em andamento pelo governo provincial na resolução de problemas da dívida da Dongbei Special Steel, com a falta de informação e nenhum plano de resolução clara “.

"Daqui para frente, esperamos que essa tendência continue, com mais incumprimentos dada a nossa expectativa de crescimento mais lento no segundo semestre, e continuou incertezas sobre a forma como esses padrões são resolvidos “.

Com a bênção do regulador, A previsão de Goldman é provavelmente correta. As notas de banco de investimento que 11 fora de 18 padrões de alto perfil não foram resolvidos desde o primeiro padrão oficial de uma empresa chinesa por Chaori solar em 2014.

(Goldman Sachs)

(Clique para ampliar. Fonte: Goldman Sachs)

Christopher Balding pensa que a directiva mostra a gravidade da situação da dívida ficou. “Isso indica que há uma pressão relativamente significativo sobre o sistema e as pessoas não estão fazendo seus pagamentos. 'Veja, não balançar o barco e empurrar as pessoas para padrão.’Para dizê-lo tão publicamente ou sem rodeios é incrível.”

O anúncio fez incluem um modificador afirmando que as empresas a serem apoiados “deve ter uma boa perspectiva em termos quer de seus produtos ou serviços e têm valores de reestruturação,”E que o“o desenvolvimento das empresas devem estar em consonância com a política macro-econômica, política industrial e política de apoio financeiro do país.”Como os bancos graves levará este modificador está aberta ao debate.

falências totais na China subiram 52.5 por cento no primeiro trimestre de 2016 em comparação com o ano anterior, com 1028 casos sendo relatados pelo Tribunal Popular Supremo. A maioria dos casos que são resolvidos envolvem pequenas empresas com poucos funcionários. As pequenas empresas são liquidados em vez de reestruturação, de acordo com o Financial Times. Como vimos, há uma outra medida aplicada a grandes empresas, para o desespero da Goldman Sachs:

“Um processo de resolução da dívida mais clara ... ajudaria a abrir o caminho para mais defaults, que em nossa opinião são necessários se os formuladores de políticas estão a cumprir as reformas estruturais.”Se eles querem entregar.

Siga Valentin no Twitter: @vxschmid

Leia o artigo completo aqui

Fundo Monetário Internacional Managing Director Christine Lagarde fala no 40º aniversário da reunião IMFC, na sede do FMI em Washington, abril 20, 2013. (Stephen Jaffe / FMI via Getty Images)Fundo Monetário Internacional Managing Director Christine Lagarde fala no 40º aniversário da reunião IMFC, na sede do FMI em Washington, abril 20, 2013. (Stephen Jaffe / FMI via Getty Images)

Quando Bloomberg relatou no ano passado que China fundou um trabalho grupo para explorar o uso da supranacional Direitos Especiais de Saque (SDR) moeda, ninguém tomou cuidado.

Agora em agosto de 2016, estamos muito perto da primeira emissão SDR do setor privado desde os anos 1980.

artigos de opinião na mídia e especulações por fontes bem informadas nos preparou para o lançamento de um instrumento a maioria das pessoas não sabe sobre no início 2016. Então o Fundo Monetário Internacional (FMI) -se publicaram um artigo que discute o uso de SDRs do setor privado em julho e um funcionário do banco central chinês confirmou uma organização de desenvolvimento internacional em breve emitir títulos SDR na China, segundo a imprensa chinesa Caixin.

Caixin agora confirmado que a organização exatamente emitirá os títulos e quando: O Banco Mundial eo Banco de Desenvolvimento da China emitirá setor privado ou SDR “M” em agosto.

O assim chamado SDR são uma construção FMI de moedas reais, agora o euro, yen, dólar, e libra. Ele foi notícia no ano passado quando o renminbi chinês também foi admitido, apesar de não ser formalmente parte da cesta até 1º de outubro deste ano.

Quantos? Nikkei Asian revisão relata o volume irá situar-se entre $300 e $800 milhão e alguns bancos japoneses estão interessados ​​em assumir uma participação. De acordo com Nikkei alguns outros bancos chineses também estão planejando a emissão de obrigações SDR. Um deles poderia ser o Banco Industrial e Comercial da China (ICBC) de acordo com o site chinês Yicai.com.

O FMI experiências com estes M-SDRs na década de 1970 e 1980, quando os bancos tinham SDR 5-7 bilhões em depósitos e empresas tinha emitido SDR 563 milhões em títulos. Uma quantidade insignificante, mas o conceito funcionou na prática.

Os ministros das Finanças do G20 confirmou que vai empurrar esta questão, apesar da relutância do sector privado a usar esses instrumentos. No seu comunicado divulgado depois do encontro na China em julho 24:

“Apoiamos o exame do uso mais amplo da SDR, tais como a publicação mais ampla de contas e estatísticas na SDR ea emissão potencial de ligações SDR-denominados, como uma forma de aumentar a resistência [do sistema financeiro]."

Eles estão seguindo o conselho do governador do Banco Popular da China (PBOC), Zhou Xiaochuan, embora um pouco tarde. Ja entrou 2009 ele pediu nada menos do que uma nova moeda de reserva mundial.

“Uma atenção especial deve ser dada para dar o SDR um papel maior. A SDR tem as características e potencial para atuar como uma moeda de reserva super-soberano,”Escreveu Zhou.

Sete anos mais tarde, parece que ele não estava brincando.

Siga Valentin no Twitter: @vxschmid

Leia o artigo completo aqui