WeChat, o aplicativo de mensagens mais popular na China, agora avisa os usuários que ele armazena ativamente toda uma gama de dados privados e prontamente compartilhá-los com as autoridades chinesas se necessário. (Matthew Robertson / Epoch Times)WeChat, o aplicativo de mensagens mais popular na China, agora avisa os usuários que ele armazena ativamente toda uma gama de dados privados e prontamente compartilhá-los com as autoridades chinesas se necessário. (Matthew Robertson / Epoch Times)

mais popular WeChat mensagens aplicativo da China agora avisa os usuários em uma declaração de privacidade sobre o quanto de seus dados privados das ações da empresa com o regime chinês. Para surpresa de ninguém, é apenas sobre tudo usuários digitar no aplicativo.

Desenvolvido pela empresa de internet chinês Tencent, WeChat é equivalente a WhatsApp da China e é usado por 662 milhões de usuários móveis, o que torna o aplicativo de mensagens dominante na China e uma das maiores do mundo.

WeChat usuários que atualizado para o último patch são recebidos com um novo prompt que os obriga a aceitar a política de Privacidade a fim de continuar usando o aplicativo. Após a leitura cuidadosa, a nova política de privacidade reconhece que WeChat recolhe toda uma gama de dados de seus usuários, e para cumprir com “leis ou regulamentos aplicáveis” seriam facilmente compartilhá-los com o regime chinês.

dados de registro privadas de usuários, tais como “informações sobre o que você procurou e olhou para ao usar WeChat,”E“pessoas que você se comunicava com eo tempo, dados e duração das comunicações”estão entre as coisas que WeChat livremente lojas e usa para personalizar publicidade e marketing direto.

WeChat usuários que atualizado para o último patch são recebidos com um novo prompt que os obriga a aceitar a política de privacidade, a fim de continuar a usar o aplicativo. (Capturas de tela capturada pelo Twitter @lotus_ruan usuário)

WeChat usuários que atualizado para o último patch são recebidos com um novo prompt que os obriga a aceitar a política de privacidade, a fim de continuar a usar o aplicativo. (Capturas de tela capturada pelo Twitter @lotus_ruan usuário)

WeChat também admite que seria “manter, preservar ou divulgar”os dados dos usuários para‘cumprir as leis ou regulamentos.’aplicáveis ​​porque as agências de aplicação da lei da China e aparato de segurança não precisa de um mandado de busca para apreender a propriedade de um cidadão ou dados privados, o regime chinês seria, essencialmente, têm acesso a quase tudo WeChat usuários enviam através do aplicativo.

Os usuários que se recusam a aceitar a mais recente política de privacidade não seria capaz de acessar WeChat com as suas contas, até que eles mudem de idéia e clique no botão “aceitar”. Contudo, porque os usuários podem continuar usando o aplicativo a qualquer momento com seus dados pré-existentes intactas, WeChat provável planeja armazenar todos os dados por um período prolongado, mesmo quando um usuário se recusa explicitamente a deixar WeChat gerenciar seus próprios dados mais.

A nova política de privacidade contém algumas surpresas para aqueles que têm sido criticando WeChat por falta de proteções de privacidade e segurança para seus usuários. Depois de tudo, observadores têm atribuído o domínio do WeChat na China a estreita colaboração da empresa com o regime chinês na implementação de mecanismos de auto-censura e vigilância no aplicativo.

WeChat certamente tem uma assistência do regime Chinse quando iniciado um bloqueio parcial de WhatsApp em julho. O bloqueio de WhatsApp eliminado uma das poucas aplicações de mensagens disponíveis para os utilizadores na China, que não foi controlada pelo regime autoritário.

O regime chinês também anunciou recentemente em setembro. 7 uma nova regulamentação exigindo que os participantes de grupos de mensagens WeChat ser responsável pela gestão da informação colocada nos seus respectivos grupos. Essencialmente, isto significa que um usuário em um grupo de mensagens poderá ser responsabilizado e até mesmo perseguidos por informações que outros postar no grupo.

Há muito tempo se observou que WeChat está entre os mais fortemente censurado aplicativos de mensagens. UMA 2016 pesquisa feito pela Anistia Internacional, que classifica aplicativos de mensagens mais populares do mundo em termos de protecção da privacidade aos utilizadores deu WeChat uma pontuação de 0 fora de 100, o que significa que os usuários de WeChat receber proteção pouca ou nenhuma criptografia para suas comunicações e o aplicativo é completamente exposta à censura e vigilância pelo regime chinês.

Leia o artigo completo aqui

BEIJINGChina’s government has highlighted big data, encryption technology and “core technologiessuch as semiconductors as the key elements of its push to grow into a tech powerhouse, according to a new five-year plan released Saturday that envisages the Internet as a major source of growth as well as a potential risk.
Even as it highlighted the need to improve Internet infrastructure to rural areas and unlock the digital economy’s potential, Chinese economic planners called for a more secure and better managed Web, with enhanced Internet control systems, Internet security laws and real-name registration policies.
Chinese officials including Internet czar Lu Wei have played down concerns over what critics have described as China’s expanding Web censorship, saying that it is the Chinese government’s sovereign prerogative and a necessary measure to maintain domestic order.
China’s development plan calls for a better cybersecurity approval system and more “preciseWeb management to “clean up illegal and bad information.
The plan also calls for a multilateral, democratic, transparent and international governance system and active participation in international Internet governance efforts.
MORE:Chinese Netizens Are Actively Distancing Themselves From a Survey That Praises the Chinese Internet EnvironmentApple Walks a Thin Line on User Privacy While Dealing With China
Premier Li Keqiang highlighted the promise of the Internet, saying Saturday that various traditional sectors, ranging from manufacturing to government to health care, need to connect to the Web and raise their efficiency as part of an overarching national strategy called “Internet Plus.He vowed to raise research and technology spending to account for 2.5 percent of gross domestic product (GDP) in the five years through 2020, which he said would mark a “remarkable achievement.
The five-year plan calls for all families in large cities to have access to 100 megabyte-per-second Internet service and broadband coverage reaching 98 percent of the population in incorporated villages.
Ao mesmo tempo, Chinese leaders, wary of over-relying on foreign technology, will seek to boost China’s homegrown industry and cut down on importsa strategy that has drawn complaints from trade partners like the United States.
MORE:Chinese Cybercriminals Go Global in Hacker UndergroundXi Jinping Tours State Media, Solidifies Control Over Propaganda
Similar to previous years, when Chinese leaders highlighted industries such as e-commerce as a growth focus, the new draft of China’s development plan specifically elevated big data and cloud computing, relatively new and promising fields that Chinese industry experts view as not yet cornered by U.S. companies that dominate other parts of the technology market.
The plan also calls for China to catch up on “coretechnologies such as semiconductors and basic computer parts and software, as well as encryption technology.
China’s campaign to beef up its chip technology has encountered political resistance from the United States. China’s national chip champion, Tsinghua Unigroup, said last month that it would abandon its attempt to acquire a stake in California data storage firm Western Digital, the second deal it has scrapped because of opposition from U.S. regulators who do not want sensitive technology to fall into Chinese hands.
MORE:China’s Publishing Ban Has Far-Reaching ImplicationsUN Criticism of China Gains Support Online

Leia o artigo completo aqui